Notícias, Resenhas

RESENHA DE DISCO: WANDER WILDNER – WANDER WIDNER Y SUS COMANCHEROS LA CANCION INESPERADA

wanderlacancion.jpg

Desde que decidiu ser um intérprete, a grande virtude de Wander Wildner foi a de saber escolher o repertório e moldá-lo ao estilo que criou para chamar de seu. Como de hábito, aqui Wander pinça músicas pouco conhecidas e as fornece uma inédita notoriedade. Descola a faixa título da extinta banda “Os Pistoleiros”, de Florianópolis, que é, de antemão, a cara do trabalho desenvolvido por Wander. Coloca luz, também, sobre outra catarinense, a Stuart, ao abrir o disco com a boa e dramática “Um Bom Motivo”, de Gustavo Kaly, um de seus herdeiros, e faz o registro definitivo para “Amigo Punk”, hino do rock gaúcho, assinada pela Graforréia Xilarmônica, na qual ele tinha participado na versão para o álbum “Acústico MTV Bandas Gaúchas”.

Deixando de lado o olhar amiúde, as doze músicas como um todo mostram um Wander Wildner sutilmente diferente, e muito por conta da afinada produção de Berna Ceppas e Kassin, que souberam manter a integridade artística de Wander, sem deixar de lhe apresentar novos rumos. Não é a toa que o trabalho de Wander continua punk, continua brega, baladeiro e afins, mas soa, ainda, country e até certo ponto folk – e isso é bom, sobretudo nos tempos em que esse nicho do pop rock tem sido redescoberto por novas gerações de brasileiros – entenda-se Vanguart e Mallu Magalhães. Pequenos detalhes e barulhinhos colocados aqui e acolá no disco até passam despercebidos, mas fazem a diferença.

É o caso de “Porta Retratos”, com o sensacional efeito de e-bow, a primeira candidata a hit do disco, música assinada pelo próprio Wander. Outra é “Mares de Cerveja”, mas uma catada a dedo do grupo Barata Oriental, dos primórdios do rock gaúcho. A gaita típica dos mares do sul é também um achado em “Amigo Punk”. Coisas que só sacadores de mínimos detalhes como Berna e Kassin podem resolver num disco. Somado a isso, vale a lembrança dos músicos que Wander utilizou na gravação: Flu (que já foi do De Falla, baixo), Rodrigo Barba (Los Hermanos e Canastra, bateria), e Jimi Joe (autor de “Sandina”, dos Replicantes, violão e gaita), só para citar os mais ativos.

“Without You”, do Badfinger, cantada em inglês mesmo, com uma profunda voz gutural, é a versão rock/brega da vez, e “Bocomocamaleão” parece ter a letra feita sob medida para Wander, embora musicalmente seja coisa nova em seu repertório. Assim, este “La Cancion Inesperada” traz um pouco do Wander Wildner de sempre, e bastante de um artista renovado que busca, também, respirar novos ares. Um disco que é só o início de um processo de renovação a ser aprofundado daqui pra frente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *