Notícias, Resenhas

RESENHA DE DISCO (MEMÓRIA) – SUBLIME

SUBLIME- SUBLIME
MCA Records

A essa altura todo mundo já sabe que o Sublime não existe mais, mas se algum(a) avoado(a) daqui ainda sonha ir a um show deles…….SE LIGA! A banda acabou em 25/05/1996 com a morte do vocalista/guitarrista Brad Nowell por overdose de heroína, ela havia se casado sete dias antes com uma antiga namorada, que 11 meses antes tinha tido um filho dele, sacou o drama ? Não foi pra menos ele morrer por overdose, os espelhos do cara eram Perry Farrel (Jane’s Addiction) e Kurt Cobain, porque eles eram completamente junkies, escreviam bem e faziam sucesso. Resumindo, eram rockstars.

O preço que ele pagou pra ser rockstar foi alto, mas funcionou ¿ em abril/97 “What I Got” entrou no TOP 20 da Billboard e em Nº1 na seção Modern Rock, era só o começo do que já havia acabado. Ainda em 97 mais três músicas foram top hits, “Santeria”, “Wrong Way” e “Doin’ Time”, com isso os caras foram levados a ídolos. Um ano e meio depois após a morte de seu vocalista, o Sublime vendia 40.000 discos por semana e, infelizmente, Brad Nowell não viu nada disso, já estava morando na “Terra dos Pés Juntos”. Posteriormente os outros dois, Eric Wilson (baixo) e Bud Gaugh (bateria), ainda formaram outra banda, o Long Beach Dub All-Stars, muito boa também.

A forma como eu conheci essa banda foi muito louca (combinou!), uma tarde de bobeira em casa assistindo TV, parei na ESPN e passou um clipe da NFL com imagens dos jogos, as porradas é claro, e a trilha sonora do tal clipe era Sublime, eu só gravei o nome da banda mesmo. Só consegui o CD em Recife, numa das muitas idas ao Abril Pro Rock, e logo os três CDs de uma vez, o primeiro “40 oz. To Freedom” (vendeu 30.000 cópias sem distribuição nenhuma, vendendo só em shows) e o segundo “Robin` The Hood” não gostei, e o terceiro disco homônimo é este que vos descrevo.

O CD é uma overdose (hehehe) de músicas boas, hits mesmo. Era o único disco que eu podia levar para churrascos da universidade, onde haviam amigos e amigos “maurícios” e “patrícias”. A playboyzada adorava. Rap-Rock-and-Roll-Psicodelia-Hardcore-Ragga (Planet Hemp) e muito Ska é o que você vai puvir neste disco. Só poderia agradar a todo mundo mesmo. Ainda bem que as letras do álbum são em inglês pois se fosse em português ia arrepiar os cabelos de muita gente. Os temas, na maior parte, só falam de milancrias (drogas, prostituição, roubos, também tem festa e diversão), mas as melodias não agridem, ao contrário agradam, e é impossível deixar de se balançar escutando esse disco. Destaque para Garden Groove, What I Got, Wrong Way, Same in the End, April 29 1992, Santeria, Seed, Jailhouse, Pawn Shop, Paddle Out, Ballad of Johnny Butt, Burritos, Under My Voodoo, Get Ready, Caress Me Down, Doin` Time……..eita porra, coloquei todas as músicas do CD. É bom de verdade.

1 Comment

  1. Pô realmente, sublime foi uma puta banda

    é triste de pensar que um cara como o Brad que tinha um puta talendo pra raggae
    se acabar assim por causa de heroina…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *