Coberturas

COMO FOI? OZZY OSBOURNE EM PORTO ALEGRE

Foto: Ricardo Duarte/Agencia RBS (Fonte – Rock Em Geral)

Por Foca

Não é difícil encontrar por aí “especialistas” em música afirmando que o rock morreu, que o público de rock não se renova, que o estilo está defasado e outras bizarrices. Para as mais de 15.000 pessoas que estiveram ontem no Gigantinho para ver de perto um dos maiores mitos da história do rock em todos os tempos, o rock está mais vivo do que nunca e crescendo.

Entenda o ambiente de nitroglicerina que se misturou em volta do Gigante da Beira-Rio e do Gigantinho ontem aqui em Porto Alegre. De um lado a horda roqueira de camisa preta invadindo ruas e espaços em volta do show e do outro uma multidão colorada pronta para ver o Internacional de Porto Alegre em ação em jogo pela Libertadores. Aquela região ficou literalmente rubro-negra!

Como na maioria dos shows da Time for Fun, a entrada foi organizadíssima, só se permitindo chegar perto das catracas quem tinha ingresso, evitando confusões adicionais. Já cheguei bem perto da hora do show (que começou pontualmente às 21h) e deu para perceber a característica do público. De um lado tiozões roqueiros fãs de primeira hora dos trabalhos de Ozzy, dentro e fora do Black Sabbath. Do outro uma galera muito nova que sabia cantar tudo do velho roqueiro, demonstrando uma incrível renovação de público. Alguns podem até dizer que é fruto do recente programa de TV que os Osbournes estiveram em ação, mas vá num show do Iron Maiden (que nunca teve programa de TV) e você verá que o fenômeno é igual: lendas do rock se perpetuam no cargo e renovam público como quem bebe água!

Quando as luzes se apagam no ginásio não dura nem trinta segundos para o quarteto que acompanha Ozzy começar um ataque de hits hard rock que durariam 1h30. Estava tudo lá: Bark at the Moon, Mr. Crowley, Let me Hear you Scream, Mama I`m comming Home, Crazy Train. Carreira solo passada a limpo e começa o ataque de sons do Black Sabbath como War Pigs, Paranoid, Iron Man e grande elenco. Quem passa impune por isso? Se você realmente gosta de rock é impossível não se emocionar.

Ozzy, mesmo visivelmente debilitado, ainda é um front man respeitável que usa sua simpatia em prol da diversão. Joga água na platéia, ativa jatos de espuma em cima do público e o principal: canta os temas com enorme maestria com sua voz inconfundível. O único ponto negativo é que ginásios invariavelmente têm a acústica ruim, mas isso nem de perto atrapalhou o brilho da apresentação de Ozzy em Porto Alegre.

Foi incrível e eu não esperava menos que isso vindo de uma das principais vozes do rock em todos os tempos. Vida longa a Ozzy. O rock vai muito bem, obrigado!

SET LIST (FONTE ROCK EM GERAL)

1- Bark at the Moon
2- Let Me Hear You Scream
3- Mr. Crowley
4- I Don’t Know
5- Fairies Wear Boots
6- Suicide Solution
7- Road to Nowhere
8- War Pigs
9- Shot in the Dark
10- Rat Salad
11- Iron Man
12- I Don’t Want to Change the World
13- Crazy Train
Bis
14- Mama, I’m Coming Home
15- Paranoid

4 Comments

  1. O set list está correto. Uma banda monstruosa. Uma lenda do Rock que deixou até os mais céticos boquiabertos e assombrou um gigantinho lotado. Um Show pra história. Eu estava lá e vi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *