Notícias, Resenhas

RESENHA DE DISCO: TOM BLOCH – TOM BLOCH 02

Não é qualquer banda que muda da água para o vinho sem perder a identidade. Pois o Tom Bloch conseguiu. Para início de conversa, dos seis integrantes que gravaram disco de estréia, de 2002 (aquele do hit “Nessa Casa”), restaram apenas Pedro Veríssimo e Iuri Freiberger. O “apenas” vale só pela questão numérica, já que Iuri, além de baterista é afamado produtor no meio independente, e Pedro Veríssimo é o autor de todas as letras e faz praticamente todas as músicas, com a ajuda de parceiros. Nesse disco o agora duo teve o auxílio luxuoso do baixista Patrick Laplan (Eskimo, Los Hermanos, Biquini Cavadão) e do excepcional guitarrista Júnior Tostói. Para melhorar, tudo foi gravado no Estúdio Toca do Bandido, herança de Tom Capone. Tais credenciais seduziram a Som livre, braço musical da Rede Globo, que incluiu o Tom Bloch no projeto “Som Livre Apresenta”. A economia de integrantes poderia sugerir a utilização equivocada de recursos eletrônicos – e eles aparecem – mas o grupo não recuou um milímetro no peso inerente ao rock pungente que lhe deu fama. As guitarras convivem com nuances de estúdio que realçam o conteúdo musical, estético e das letras em si, já que Pedro pertence ao clã dos Veríssimo e não nega as origens. É a partir de suas histórias bem tramadas que se resolve a música do Tom Bloch. Na melhor delas, “Ente Nós Dois”, ele explica milhões de relações entre homem e mulher num espaço exíguo, levado por guitarras agrupadas com efeitos eletrônicos cirúrgicos. Bem perto dela vêm, juntas e emendadas, “Sob a Influência” e “A Dúvida”. A primeira é quase uma “marcha abre-alas” que abriga losers amorosos de todo o tipo, e a segunda é um rockão dos bons, trilha perfeita para a indecisão de um ator cujo papel parece condenado às incertezas (de novo) das mazelas amorosas. Outra boa é “A Invenção”, macia e com refrão certeiramente pop.

Nem tudo são flores, porém, nas baladas “Imitação da Vida” e “O Refém”. Curiosa é “Situação de Dança”, uma trilha sinistra em que Pedro escancara a dificuldade que tem em dançar, algo sincero e autobiográfico se lembramos que o cantor tem presença de palco praticamente nula durante os shows do Tom Bloch. O disco peca, ainda, por ter repertório reduzido, nove músicas em pouco mais de meia hora. Mas desde quando, sobretudo em música, tamanho é documento?

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *