Resenhas

RESENHA DE DISCO: OFFSPRING – RISE AND FALL, RAGE AND GRACE

offspringrise.jpg

Por Marcos Bragatto, Rio de Janeiro/RJ

Cinco anos foi o tempo que o Offspring levou para fazer um novo disco, e depois desse hiato, as novidades mesmo estão na formação, que agora é de um trio formado pelos bons e velhos Dexter Holland (vocal e guitarra), Noodles (Guitara e vocal) e Greg K (baixo e vocal); e no produtor do CD, Bob Rock, que ganhou fama por dar aquela guinada no Metallica com o “Black Album”, em 1991. Talvez banda estivesse precisando mesmo de uma “virada” na carreira – daí a escolha de Bob -, mas não foi, positivamente, isso que aconteceu.

É difícil para uma banda de características tão marcantes como a voz de Dexter e a velocidade de guitarras timbradas da mesma forma, em mais de 20 anos, buscar novos rumos. E parece que o agora trio não está nem aí para isso. O disco começa quase que exatamente com os anteriores, sobre tudo o bem sucedido “Americana” (1998), o clássico “Smash” (1994) ou até “Splinter”, o discreto CD de 2003. A tríade “Half-Turism”/”Trust In You”/“Hammerhead” (esta a quarta faixa) poderia estar confortavelmente em um desses álbuns que não haveria o menor problema. A idéia, no entanto, sugere uma repetição nada aconselhável no mundo da música pop, nesse meio é preciso ser o mesmo e mudar sempre, e talvez aí deveria ter entrado o dedo de Bob Rock.

O fato é que a produção do CD não fez o papel de renovação, e sobrou para as músicas a função de cativar o ouvinte por si só. É o que acontece em petardos típicos, sim, mas que revelam um precioso trabalho de composição que mantém viva a chama do poppy punk que o Offspring ajudou a moldar, junto com o Green Day, nos anos 1990. Diferentemente do sócio no sucesso, que renasceu com a ópera punk “American Idiot”, há quatro anos, o Offspring não buscou novos direcionamentos, mas se fincou dentro do seu círculo de referências – e dele próprio.

Quando consegue sacar boas composições, o grupo atinge os melhores momentos do álbum, casos da veloz e empolgante “Trust In You”, a grudenta “Takes Me Nowhere”, feita sob medida para decolar, “Hammerhead”, e “Let’s Hear It For Rock Bottom”, essa sim, com boas variações em trechos diferentes entre si. Mas há, também, verdadeiros tiros n’água: as baladas “Fix You”; “A Lot Like Me”, a única faixa em que a voz de Dexter não soa tão preponderante, há trechos que nem parece ele cantando; a babíssima “Kristy, Are You Doing Ok?”, de gosto duvidoso; ou até a pop e cadenciada “Stuff Is Missed Up”, que tem um lálálá daqueles. Resumo da ópera: sem mudar o que precisava e repetindo fórmulas, o disco é apenas razoável.

7 Comments

  1. Concordo com a resenha. O cd tá bem fraco mesmo. Eu que sou fã, tenho todos os cds, e posso dizer que realmente as músicas que se salvam são somente três. As outras não passam de uma tentativa, frustrada, de atingir um público novo. Fala sério Bob Rock…

    Masss, não esqueçamos dos outros 7 álbuns e vamos p/ Fortaleza prestigiá-los.

  2. Discordo de algumas críticas…Umas 3 músicas que fugiram do estilo do Offspring: A Lot Like Me, Kristy Are You Doing Okay e Fix You. Essas músicas sim agradaram uns fãs, outros nenm tanto…
    Todas as outras estão no estilo do Offspring, com algumas mudanças naturais que a banda sempre faz de um álbum para outro, sem perder a identidade da banda. Todo álbum do Offspring sempre tem uma coisa diferente dos demais, sem perder esse estilo da banda.
    O caso do Green Day é diferente pois eles mudaram completamente o estilo de suas músicas e letras. Alguns gostaram, outros não…
    Isso sempre acontece a cada cd novo de qualquer banda. No caso do Offspring, se você espera que a banda faça outro Smash, desista e páre de escutar a banda se o estilo novo não agrada… É tão simples… se não gosta, não escuta…

  3. Logicamente, ninguém escuta o que não gosta ; ). Eu mesmo conto nos dedos as vezes que escutei o Rise and Fall, Rage and Grace. Já todos os outros cds, eu digo TODOS, escutei até furar. O Offspring me decepcionou com esse último. Mas, como fã, espero q muita gente goste desse cd e eu seja uma exceção 🙂

    Gosto é gosto, cada um tem o seu.

  4. Bom… concordo em algumas partes… esse realmente foi o Album q eu menos gostei… mas mesmo assim gostei muito por ser do Offspring…
    a ÚNICA música q eu não consigo gostar eh Fix You, as outras são tudo boa sim… mas tenhu saudades dos tempos das músicas como: Nothing from something, change the world, genocide, entre outras mais!!!

    e Dia 04 to no show deles em POA!!!

  5. Acho q a resenha foi ate boa em considerar o dico “razoavel”.. heheh O disco é ruim, so tem 4 musicas q prestam.. o resto nem escuto..

    E Fix You é pra matar qq fã antigo do Offspring.

  6. Escutem mais de uma vez, e vocês irão enterder o albun, o cd está demais na minha opinião, tem coisas novas e as velhas e maravilhosas musicas punk/hardcore do offspring.
    Eterno fã …. Hugo

  7. concordo com essa resenha, até porque eu mesmo quando não estou em um dia bom , sempre escuto esse CD , pq tem musicas de qualidade como todos ou outros e algumas para acalmar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *