Matérias Especiais, Nacional, Notícias

MATÉRIA ESPECIAL: TUDO DO AUTORAMAS (RJ) PARA DOWNLOAD

Matéria retirada do site Trama virtual

Dica: Hugo Morais (bemvindoboaviagem)

Se hoje o Autoramas é uma das principais e mais legais bandas independentes do país, não é por acaso. Também não é preciso ficar explicando as qualidades do trio, dizer que o vocalista e guitarrista Gabriel Thomaz foi do Little Quail & the Mad Birds, etc e tal: sua discografia fala por si só. trio acaba de disponibilizar todos os seus discos para download (com exceção do mais recente deles, Teletransporte, em que metade das faixas está apenas para streaming) – incluindo aí coletâneas, compactos e demos. Gabriel queimou alguns neurônios e lembrou de cada lançamento da banda, de 98 pra cá.

Demo-Tape (1998) Foi gravada em São Paulo, no estúdio IML, produzida pelo Carlo Bartolini. Eu gravei essas músicas sozinho, cantei e toquei tudo. Na real essas músicas foram gravadas quando a banda nem existia, foi na época que o Little Quail, minha antiga banda, estava acabando, eu nem sabia se essas músicas iriam pro Little Quail ou pra um novo projeto. Me mudei pro Rio, levei a fita, mostrei pros meus amigos com quem eu queria tocar e formamos a banda. Todas as baterias dessa gravação não são bateria de verdade, são loops que fomos construindo junto com o resto da música. No primeiro CD a maioria das músicas também é assim.

Motocross (1999) Nosso primeiro vinil, já pela Monstro, que na época estava começando e nem tinha o Fabrício Nobre trabalhando com eles (ele tinha um outro selo, chamado Me and My Monkey). Essa é boa: nós já estávamos na Monstro antes mesmo do Fabrício… “Motocross” é o lado A. Foi a primeira vez que trabalhamos com o Kassin produzindo. E o lado B, “Bahamas”, foi produzido pelo Dado Villa-Lobos, no estúdio da Rock It! Motocross ainda foi gravado com a primeira formação da banda, com o Nervoso na bateria.

Stress, Depressão & Síndrome do Pânico (2000) Foi gravado num esquema bem parecido com nossa demo, no mesmo estúdio e com o mesmo produtor, mas a banda já estava formada. Foi lançado pelo selo Astronauta. Acho a gravação desse disco muito boa, Carlo Bartolini caprichou na produção, os timbres são maravilhosos. Gosto muito desse CD, o repertório também é muito legal. Com esse disco fizemos muita coisa, “Fale Mal de Mim” tocou em muitas rádios, chegamos até a tocar no Rock In Rio III. Esse CD está esgotado faz tempo, é extremamente difícil de achar. Todos os dias chega um e-mail pra mim perguntando onde comprar esse CD, e eu não sei responder. Já vi numa loja esse CD sendo vendido a R$120… Acho isso um absurdo, por isso lançamos o RRRRRRROCK!, coletânea que tem as principais músicas desse CD.

Vida Real (2001) Gravamos esse CD em dois dias e meio, tudo ao vivo, no Estúdio Fibra, no Rio de Janeiro. Tivemos pouquíssima grana pra gravar, e esse foi o jeito. Tem o som mais “garageiro” que já fizemos, e por causa desse CD, muita gente ainda rotula o Autoramas como “garage”. Talvez seja por isso que os japas do Guitar Wolf viram nosso show, ouviram esse CD e levaram a gente pra fazer turnê com eles no Japão, quando ainda estávamos divulgando esse CD. Foi nosso último lançamento pela Astronauta, depois disso fomos seguir outro caminho.

Hx Cx Ix (2002) Mais um vinil, dessa vez amarelo, tem três músicas: no lado A temos a faixa título, que depois seria incluída no próximo CD, e no lado B, a versão instrumental de “Copersucar” e uma outra instrumental, “Submarino”. Aliás, as três faixas são instrumentais. Também saiu pela Monstro.

Nada Pode Parar Os Autoramas (2003) Dessa vez, tivemos ajuda de todos os produtores que queriam trabalhar com o Autoramas. Fizemos três músicas com o Rafael Ramos, três com o Carlos Trilha, duas com o Jimmy e o Fausto do Matanza, duas com Marco Butcher e Clayton Martin, duas com Stanley Zvaig e uma com o Júnior Ribeiro e Iuri Friedberger, em Porto Alegre. Também foi feito na raça, mas o resultado ficou ótimo. Tínhamos medo do disco soar como uma coletânea, por ter sido gravado em diferentes estúdios, mas isso não aconteceu, o disco tem uma unidade, quando masterizamos isso ficou bem claro. Foi com esse disco que o Autoramas “engrenou” de verdade, nossa agenda de shows começou a ficar bem cheia e continuaram a rolar convites pra tocar fora do Brasil. “Você Sabe” teve o clipe mais premiado de 2005 no VMB, foi a primeira vez que aconteceu isso com uma banda independente. Nosso primeiro CD pela Monstro.

RRRRRRROCK! (2005) É uma coletânea, muito parecida com a Full Speed Ahead, coletânea do Autoramas que saiu no Japão. Tem as principais faixas dos dois primeiros CDs (mas com gravações diferentes, produção de Kassin e Berna Ceppas) e as músicas que não haviam saído ainda em CD. Decidimos fazer essa coletânea porque nossos primeiros discos não estavam mais disponíveis, continuávamos tocando essas músicas em shows e as pessoas não tinham como comprar CDs com essas músicas. E ainda batizamos o CD com nosso grito de guerra, que pega por onde passamos. Também saiu pela Monstro.

Double Trouble (2006) É um split em vinil com os argentinos do Tormentos, saiu aqui pela Monstro e, na Argentina, pela Scatter. Tem uma música inédita, “Chance”, e uma versão ao vivo de “Mais Ou Menos”. Na Argentina também já saiu pela Scatter uma outra coletânea chamada Mucho gusto, Autoramas!

Autoramas/GreenMachine (2007) Mais um split em vinil, lançado na Europa pelo selo português Groovie Records. Tem uma versão ao vivo de “Mundo Moderno”, só presente nesse disco. Temos também outras músicas lançadas pelo mundo em coletâneas, mas que não são inéditas, estão presentes em algum de nossos discos.

 

Teletransporte (2007) Esse é o que considero o melhor CD do Autoramas. É o primeiro disco com nossa nova baixista, Selma Vieira. E também por nosso novo selo, Mondo 77. Foi produzido pelo Kassin e Berna Ceppas e mixado pelo Daniel Carvalho, no estúdio Monaural, no Rio. O CD demorou mais de um ano pra ficar pronto, fizemos com calma, como há muito tempo não tínhamos a oportunidade. Gosto muito do repertório, da sonoridade de cada música, cada uma pensada de uma maneira diferente, cada uma com vida própria. Logo que o disco saiu já foi importado pra Europa e estamos negociando para licenciar para outros países.

E ainda tem umas remixes, uma de “A História da Vida de Cada Um” feita pelo Kassin e outra feita pelo Edu K, de “Carinha Triste”. Na época ele disse que “ficou bem Vengaboys”.

Baixe os discos aqui.

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *