ASSISTA MINI-DOC SOBRE A ETAPA DE CARNAVAL DO CIRCUITO CULTURAL RIBEIRA 2016

cicuito

O carnaval da Ribeira foi lindo com a volta do Circuito Cultural Ribeira e suas atividades. Grande momento de reencontro com a cultura do bairro misturando gente e alegria em pleno carnaval. confira como foi essa volta no mini-doc abaixo!

ARTISTAS DO DOSOL EM LISTAS DE MELHORES DO ANO DE 2015

camarones

Fim de ano tem sempre aquele lance das listas de melhores e nossos artistas foram muito bem em várias delas. Vamos trazer um resumo do que de mais importante saiu na impressa.

Os dois jornais da cidade destacaram o Camarones Orquestra Guitarrística como destaque musical da cidade em 2015. A Tribuna do Norte colou o ano musical como o Ano do Rock, destacando o Camarones, Luisa e os Alquimistas e o Festival Dosol dentro das atividades. O Novo Jornal também citou os Camarones como um dos 06 destaques culturais de 2015 no RN.

Nos blogs e jornais especializados em música também tivemos vários representantes do Dosol indicados. Na RockinPress/Brasileríssimos Camarones, Talma&Gadelha e Maíra Salles, figuraram entre os melhores. No Scream&Yell, La Cumbuca, Alouata Sagaz e Combate Rock também apareceu os Camarones na lista. Som do Som aparecem o Fukai, Talma&Gadelha, Maira Salles e Camarones, no Tenho mais Discos que Amigos o Talma&Gadelha voltou a ser citado e na lista da UFscar aparecem o os mossoroenses do Monster Coyote.

A qualquer momento podemos dar um update neste post!

COMO FOI? CAMARONES TOUR EM CAMAÇARI/BA

camaçari

Por Foca

Salvador/Camaçari – 40km

Chegamos ao última dia da nossa tour pelo Nordeste, primeira parte de uma série de shows que pretendemos levar até o Chile antes do final do ano. Foram dias muito satisfatórios para nós pelo fato de que nossa tour chegou ao final sem um único problema de qualquer natureza nem fora nem dentro do palco. Todos os contratantes fizeram sua parte, proporcionaram boas estruturas e excelentes vibrações para que tudo tenha rolado na mais perfeita ordem. Ontem em Camaçari/Ba não foi diferente. Lugar pequeno, estilo inferninho, MUITO LOTADO, roqueiros, boêmios, camisas pretas, bandas punks e clima de rock para roqueiro no ar.

Camaçari é uma cidade muito bonita a 40km de Salvador. Um polo industrial gigante com mais de 200 fábricas em volta. Nosso show, marcado dentro da lista Nordeste Independente, foi promovido por Jair, ex-guitarrista do Declinium e figura bacana e carimbada da cena da cidade. Recebemos a turma do Pastel de Miolos que também mora em Lauro de Freitas e partimos em comboio para a cidade. O local do show, bem no centro de Camaçari, era uma espécie de restaurante com uma área externa atrás. Tudo bem simples mas altamente funcional. O som montado no chão com as pessoas assistindo em volta garantiriam a vibe rock da apresentação.

O Chá de Abu abriu os trabalhos com um som mais light muito baseado em Los Hermanos. Foi se desenrolando de maneira simpática e deram muito bem seu recado. Aí veio uma das melhores surpresas entre todoas as bandas que se apresentaram conosco na tour (e olha que não foram poucas). Sobe um trio chamado The Pivo`s liderado por um vocalista magrinho rasta mandando uma pedrada punk roqueira de deixar feliz qualquer apreciador do estilo. Parecia que eu estava assistindo uma daquelas bandas tipo Circle Jerks tocando em algum porão no meio dos anos 80. Fiquei muito emocionado e impressionado com o show. Energia bruta, concentrada e rock. Alô festivais baianos, esses caras tem que tocar pra mais gente ver URGENTE!

Os já Local Heros da cena punk baiana, o Pastel de Miolos desfilaram 15 anos de serviços prestados ao rock baiano e esquentaram de vez a platéia. Geral cantou o cover de Sandinista dos Replicantes no final da apresentação. Outro bom show. Enquano o punk rolava solto dentro do espaço para o show fomos montando nosso equipo e adiantando a passagem dos equipamentos. Montamos o set em dez minutos e o que já estava cheio ficou abarrotado de gente para nos assistir. Que energia foi aquela hein? Não tem jeito, show roqueiro, no meio de roqueiros, e no mesmo plano são sempre inesquecíveis. Tivemos até que recuar os pedais porque a turma tava chegando junto com força!

Tocamos pesado, rápido e muito contentes com aquele clima e encerramos o show com aquela sensação de dever cumprido que é a senha inicial para que a gente volte para casa e programe tudo de novo em mais tours. Um disco dos Specials foi colocado no som logo depois para que a gente desmontasse nossos equipos mantendo a vibe boa do show. Parecia um presente!

A verdade clara para quem sai de casa é que as coisas estão melhorando a olhos vistos. Interesse, público, produtores, bandas, todo mundo engajado em fazer o rock independente dar certo. Quando todo mundo dá sua contribuição não tem como dar errado. Camarones Tour foi Nota 10 e terminamos com saldo (inclusive financeiro) bem positivo. Valeu Camaçari, nos vemos em breve, Valeu Baêa!

Veja as próximas datas da Camarones Tour:

24 de abril – Abril Pro rock – REcife/PE
28 de abril – Festa Lado[R] com FireBug – Natal/RN
04 de maio – Casa da Ribeira – Natal/RN (TBA)
14 de maio – Festival Fora do Eixo Circo Voador, Rio de Janeiro/RJ
15 de maio – Sesc – São Paulo/SP
15 de maio – Virada Cultural de São Paulo – São Paulo/SP
20 de maio – Noite Fora do Eixo – Brasília/DF
21 de maio – Festival Bananada – Goiânia/GO
22 de maio – Festival Goma – Uberlândia/MG
23 de maio – Belo Horizonte/MG
23 de maio – Sabará (MG) TBA
24 de maio – Bragança/SP
25 de maio – São Carlos/SP
26 de maio – Bauru/SP
27 de maio – Campinas/SP
28 de maio – São Paulo/SP
29 de maio – São Paulo/SP

CAMARONES TOCA DOMINGO NO SOM DA MATA!

camarones som da mata

Texto: Tribuna do Norte

Tem rock ‘n roll na trilha sonora do Parque das Dunas neste domingo. A Camarones Orquestra Guitarrística volta ao projeto Som da Mata para tocar sua agitada e divertida mistura de trilhas e tons em forma de rock instrumental, a partir das 16h30. A banda se caracteriza por um repertório que funde rock, ska, punk, reggae, temas de desenhos animados e filmes, produzindo uma sonoridade dançante que visa surpreender e empolgar o público.

A orquestra de guitarras do Camarones é formada por Ana Morena (contrabaixo), Anderson Foca (teclados e efeitos) e Xandi Rocha (bateria), além de Karina Monteiro e Leo Martines nas guitarras. O som do quinteto é basicamente de música instrumental, tocada bem rápida, como se fosse um baile dançante. A ênfase fica na surf music, com direito a pitadas de metal, ska e reggae.

E também tem algum senso de humor de filme B, com versões para temas de desenho animado e de filmes — incluindo a música de Dick Dale, da trilha sonora de Pulp Fiction, por exemplo. O repertório é um grande baile de referências, que inclui Roberto Carlos, Bob Marley, Metallica, surf music, e versões para os temas clássicos de personagens como Os Flintstones, Homem-Aranha e Popeye.

Serviço:

Camarones Orquestra Guitarrística.
Parque das Dunas, domingo, às 16h30. Ingresso: R$1

BAIXE AQUI O EP “TUDOJUNTO” DA BANDA

BANDAS POTIGUARES FAZEM SHOW BRASIL AFORA

eyh
Foto: Flávio Horroroso do EYH em ação no Festival Dosol 2008. Por Nicolas Gomes

Como diria o Cachorro Grande, As próximas horas serão muito boas para as bandas potiguares. Três delas seguem viagem para se apresentar Brasil afora neste próximos dias. O Calistoga embarca para o centro-oeste do país para se apresentar no Festival Calango (que também fez convite ao Camarones Orquestra Guitarrística) em Cuiabá. Na sequência a banda toca em Campo Grande nas Noites Fora do Eixo e antes de voltar pra casa e se apresentar no Festival dosol 2009 tocam no Aumenta Que É rock em João Pessoa.

O Venice Under Water aproveita a programação do Festival Dosol Drops Recife e se apresenta por lá na próxima terça. O Expose Your Hate também vai longe e toca neste final de semana em Brasília no Ferrock Festival.

Os meses de novembro e dezembro também serão movimentados com tour de 6 datas do Rejects em São Paulo e o começo da tour Nordeste do Camarones Orquestra Guitarrística que vai passar por 9 cidades. Pé na estrada minha gente!

BANDAS GRAVAM VÍDEO RELEASE HOJE NO CENTRO CULTURAL DOSOL

camarones-rec

Três bandas potiguares registram vídeos hoje no Centro Cultural Dosol. São elas Venice Under Water, Camarones Orquestra Guitarrística e Orquestra Boca Seca, todas na programação do Festival Dosol 2009. O material vai contar com direção de Anderson Foca e Ana Morena Tavares e técnica e iluminação de Wagner.

Todo o conteúdo gravado vai ser utilizado no DOSOLTV, programa de tv que está indo ao ar todos os sábados, às 11h na TV No Minuto, canal 27 (ou 127 para decodificador digital) da TV a Cabo Natal.

Essa vai ser a primeira aparição da nova formação do Camarones Orquestra Guitarrística que tem shows marcados para novembro e dezembro. SE você tem banda e tem interesse em participar de uma sessão de vídeos, entre em contato pelo assessoria@dosol.com.br

BRUNO NOGUEIRA (PE): POPCAST#9 – VIVENDO DO ÓCIO

vivendo

O podcast entra oficialmente em sua fase baiana. Como tempo livre aqui é bóia, eu agora prometo manter a atualização de pelo menos um novo episódio por semana. No de hoje tem música exclusiva do Mundo Livre S/A, a mais nova do Móveis Coloniais de Acaju uma do Camarones Orquestra Guitarrística que não será mais lançada, já que a banda acabou, entre outras. Tem também, claro, uma devida homenagem a Salvador, cidade onde estou morando agora, com músicas do Vivendo do Ócio, Cascadura e Pessoas Invisíveis. Fora o falatório, que é o que torna tudo mais legal.

PARA OUVIR O PODCAST CLIQUE AQUI

PARA BAIXAR O PODCAST CLIQUE AQUI

COMO FOI? 3ª CHAMADA CARNAVALESCA DO ROCK EM NATAL (RN)

sinks-na-chamada
Foto: The Sinks tocando para o excelente público da chamada

Por Foca

César Revorêdo, novo gestor da Capitania das Artes, não contava com tanta gente segundo suas próprias palavras: - Achei que teríamos aqui umas 100, 150 pessoas mas o rock no carnaval dá muito certo. Mais de 2.000 pessoas apareceram para curtir a 3ª edição da Chamada Carnavalesca do Rock com gente de todos os tipos e idades. O rock carnavalesco entra de vez para o calendário cultural da cidade mostrando fôlego para crescer ainda mais.

A programação começou quase que pontualmente com o Los Costeletas Flamejantes fazendo um show dançante tocando rocks 50`s com muito Elvis e outros reis do estilo. A banda ainda precisar caprichar mais nas composições próprias que não tem a mesma força dos covers que eles tocam. Então fica a dica para trabalhar o lado autoral, porque ele é que garantirá um futuro mais promissor ao quarteto.

Os Bonnies vinham em seguida mas o baterista da banda teve um problema e só conseguiu chegar às 20h no local das apresetações tornando inviável a participação do grupo na Chamada.

chamada-publico
Foto: Mais de 2.000 pessoas compareceram ao rock do carnaval

Em seguida veio o The Sinks que está de malas prontas para duas grandes tours: uma pelo nordeste e outra pelo Sudeste até abril. O show, bastante despojado e rápido, funcionou bem no palco do carnaval, que verdade seja dita, melhorou bastante de estrutura do ano passado para cá, com uma melhor sonorização e a luz a cargo de Helisom e um palco mais bem feito. Além de dez músicas próprias tocadas quase sem intervalo o Sinks ainda tocou dois sons para celebrar o carnaval, um dos Ramones e outro do Nirvana. A molecada gostou é claro.

O Bugs fez um show bastante energético na sequência. A pegada roqueira que acompanha o grupo nos últimos shows permanece elevando o nível que já era alto. Na minha opinião foi o melhor show da noite junto com os Camarones.

O Camarones Orquestra Guitarrística subiu ao palco da Chamada depois de ter feito excelente apresentação no Recbeat em Recife. A confiança no trabalho misturada com a sequência de shows que o grupo vem fazendo tornam a banda madura e segura, mesmo com apenas um ano de atividades (completadas exatamente na chamada, que foi o primeiro show do grupo no ano passado). A parede de guitarras está cada vez mais sólida e o show mais intenso. Bela apresentação.

O Ak-47 foi o penúltimo grupo a se apresentar no rock carnavalesco. A banda foi outra que se apresentou pela segunda vez no carnaval já que foi representar o RN em Salvador no Palco do Rock. A performance do vocalista João pega um pouco desprevenida a platéia que ainda não os conhece. Compondo o visual lentes de cor, cabelo verde e um banho de tinta com maizena. Apesar da melhora e da mudança sonora do grupo (que adotou de vez o alternametal como sua maior influência) ainda é preciso arrumar um pouco a casa em alguns aspectos. O principal deles é a desafinação constante dos instrumentos que incomoda muito e atrapalha as músicas. Talvez um equipamento melhor que segure a onda da afinação baixa resolva. Sugiro uma pesquisa para sanar o problema que já é crônico no show do AK. Uma coisa legal da banda é que eles já formaram um público para suas peripércias, com gente cantando as músicas e acompanhando tudo que eles fazem.

Leno estava um pouco nervoso antes do show por conta de um possível conflito entre a programação que estava rolando e sua música mais calcada em rocks clássicos e bem menos pesadas. Mas seu nervosismo não se confirmou em problemas e o show rolou muito bem até o final inclusive recebendo um público mais velho que foi lá só para assisti-lo. Sem problemas de horário, com boa sonorização e um público grande e fiel a Chamada Carnavaleca do Rock mais um vez cumpre seu papel. Já é hora de preparar o que fazer no ano que vem. Até lá!

Amanhã tem cobertura em vídeo da chamada no DOSOLTV.

COMO FOI? FINAL DE SEMANA ROCK EM NATAL

publicocover

O Portal Dosol foi a três rocks diferentes neste final de semana. Dois deles foi produzido por nós e o terceiro foi produzido pelo Yuno no Castelo Pub. A peregrinação roqueira começou sexta com o Baile Barulhinho Bom recebendo novamente um bom público no Sancho Pub, mesmo com a chuva torrencial que lavou a cidade durante toda a sexta-feira.

Com os problemas da primeira edição do baile resolvidos, como o ar condicionado (fez até frio) tudo transcorreu muito bem nesse segundo dia do evento. Magão, fez um djset excelente e uma da manhã a Experiência Ápyus começou seu set dançante até às três da matina. O DJ Magão fez uns comentários legais que reproduziremos aqui:

“O Barulhinho Bom está sendo um sucesso absoluto, em duas sextas já passaram mais de mil pessoas pelo Sancho Pub. Na primeira que teve a participação da Orquestra Boca Seca e essa pessoa que aqui está fazendo esse comentário, viu uma cena bem legal em que lembra, tipo assim, uns 10 anos atrás quando comecei a discotecar na cena local no então Bar Astral, onde primava só música brasileira, voltando a ativa com discotecagem nacional, tem sido muito legal, e o público tem aparentemente gostado.

Nessa última sexta que teve a participação da Experência Apyus que além de ter feito um show impecável, o pessoal da casa também caprichou no que foi falho no primeiro dia da festa, tudo funcionou perfeitamente. Então podemos esperar na próxima sexta uma festa pra detonar com o tão aguardado show do Mundo Livre S/A e ainda com a participação do Camarones Orquestra Guitarrística e eu o ainda chamado Dj Magão. “

No sábado começamos a maratona rock com o Centro Cultural dosol que recebeu a 1ª edição do covernation de férias. Foram mais de 300 pessoas que praticamente lotaram o espaço para conferir algumas das melhores bandas locais prestando homenagens aos seus artistas preferidos. Uma foto e um comentário:

Venice Under Water mandando Incubus com propriedade. Legal!
venice-01

Fewell com reforço de Dudu do Venice tocando Foo Fighters. Muita energia no show mesmo com poucos ensaios.
foocover

The Sinks tocando Nirvana. Muita pressão, tosqueira, gritos, pulos do palco e rodas. Catarse da noite porque Nirvana é covardia!
sinksnirvana

Calistoga distruindo com Queens Of The Stone Age. Muitos decibéis acima do permitido. Fire!
calistogaqueens

Não tenho foto do Dr. Carnage que também arrebentou tocando Matanza. Resumo da ópera: baladinha nota 10. Semana que vem tem mais Covernation de verão.

Nossas andanças ainda não acabaram. No sábado, logo depois do Dosol rumamos pro Castelo Pub para o show dos Camarones, Os Bonnies e Julia Says. Nunca tinha ido no lugar que é bem curioso e legal. Trata-se de uma espécie de exposição a céu aberto de algumas obras numa arquitetura de um castelo. Tem um calabouço (onde também rolam shows) e vários “caminhos” dentro do espaço. O som da casa é “ok” e conseguimos ver duas atrações: os ótimos Pau e Lata que destilaram uns grooves de batucada e os dançantes e competetnes Camarones que fizeram a platéia balançar o esquetelo. Quase que proponho para as duas bandas fazerem uma jam juntas mas atrapalharia o andamento da noitada.

camaronescastelo

Não consegui ver o Julia Says e Os Bonnies mas quando sai no fim do show dos Camarones já tinham mais de 200 pessoas pela casa. Sábado gordo!

ROCK POTIGUAR: CHAMADA CARNAVALESCA DO ROCK CONFIRMADA!

chamada
Foto: 1ª Chamada Carnavalesca do Rock em 2007 (arquivo)

Mais uma vez o Dosol vai promover no Carnaval a Chamada Carnavalesca do Rock, que já chega à sua terceira edição. Mesmo com a mudança de rumos da Capitania das Artes com o novo secretário o evento foi mantido, muito por conta do enorme sucesso das duas primeiras edições.

O festival é totalmente gratuito e acontece na terça de carnaval, dia 24 de fevereiro. O local do show é o mesmo do ano passado, no palco em frente ao Beco da Lama no Centro da cidade, bem ao lado da prefeitura. A programação completa já está pronta com os shows começando às 16h e indo até às 22h. Todas as bandas já foram convidadas e duas em especial já aceitaram o convite: o Camarones Orquestra Guitrarrística que também toca no Recife no Recbeat e o Ak-47 que toca em Salvador no Palco do Rock.

A 3ª Chamada Carnavalesca do Rock faz parte do Grito Rock Brasil, movimentação capitaneada pelo Circuito Fora do Eixo e que movimenta a cena alternativa durante o carnaval e adjacências. Neste ano mais de 40 cidades reaizarão ações parecidas com a de Natal.

CONFIRA EM VÍDEO A EDIÇÃO DO ANO PASSADO
[youtube:http://br.youtube.com/watch?v=4urldVayv-M]

COMO FOI? DOSOL TOUR EM SANTA CRUZ E CAICÓ (RN)

Por Ana Morena

Eram 16h quando partimos para uma aventura pelo interior do Rio Grande do Norte, onde faríamos 2 shows e não sabíamos muito bem o que esperar. Para garantir pelo menos que os shows acontecessem de forma honesta, levamos uma verdadeira parafernália, com mini PA e tudo, eu disse TUDO que poderíamos precisar para fazer o show. O lugar só precisaria oferecer energia elétrica.

O primeiro show foi em Santa Cruz, cidade que fica 1h30 de Natal, e que tem em torno de 30 mil habitantes. Organizamos tudo, com ofícios para a delegacia e Casa de Cultura para que o rock acontecesse bonito por lá… o rock até aconteceu bonito, e falo já sobre o show. Mas infelizmente tenho que dar uma parada no texto para fazer um protesto contra o TOTAL abandono da Casa de Cultura de Santa Cruz.

Um prédio bonito, com estrutura de vários banheiros, mini-auditório, pátio, salas de exposição, bar… Mas tudo entregue às moscas, à imundice e ao descaso. Sem água, sem luz (graças a deus tinha energia, mas não havia UMA lâmpada nos bocais), sabe aqueles prédios abandonados que são invadidos por sem teto nos centros das cidades? Pronto. Só não tinham os sem tetos… Fica aqui o meu registro e a minha aflição para que o poder público se lembre de lá, com uma faxina e 200 reais aquilo ali vira uma Casa de Cultura de verdade, só ta faltando um pouco de interesse!

Interesse esse que não tivemos do “rapaz das chaves” de lá. Quando ele viu um bando de roqueiro cabeludo e tatuado, começar a adentrar com caixas enormes de som disse que ia “ali” e voltava já. E não apareceu mais. Então nós que fomos tranqüilos que teríamos um lugar para guardar os equipamentos depois do show e ir dormir na casa do Paulo, cara de lá que nos ajudou a organizar o esquema, nos vimos com todo o nosso equipamento dentro do pátio da casa de cultura, ao ar livre (pela primeira vez fiquei feliz por não chover no interior) sem ter como deixá-lo ali sozinho. O que fizemos? Arrumamos os nossos colchonetes ali mesmo, e dormimos olhando o céu mais bonito do mundo que é o céu do interior. Conseguimos ainda dormir até às 8h da manhã que foi quando a sombra do prédio acabou e o sol nos pegou de jeito!

Vamos ao shows. Às 21h30 começou o show com a banda Messias, banda local e bacana do Paulo, o cara que nos ajudou. O baterista da banda se garantiria muito numa banda de hardcore melódico, pegada boa e rápida do rapaz. O show foi correto, são um pouco verdes, principalmente nas letras das músicas, mas todo mundo tem que ser verde pra ficar maduro, então vamos aguardar.

Em seguida o The Sinks, sem o Foca que estava no Boom Bahia e com o Henrique Gela no lugar, fizeram um show excelente. A platéia, em torno de 50 pessoas, se divertiu muito. Na verdade o público de Santa Cruz ainda não sabe direito como curtir um show de rock. Eu acho que o que eles querem mesmo é se machucar, rolou muito “pogo” ao melhor estilo telecat, e as mulheres levavam e davam porrada sem nenhum constrangimento também, enfim….

O Camarones veio em seguinda. Como o som do Camarones é mais dançante e menos “pogante” a platéia dispersou um pouco. Uma parte ficou dançando, outra ficou assistindo e outra foi “se pegar” lá fora. Foi um ótimo show.

Aí veio o Calistoga e fez o show mais bacana da noite. Uma parte da platéia estava mais interessada nas atividades extra-rock e ficaram lá fora, mas o povo que ficou pode assistir Dante, meio sem voz (afinal, assim como Henrique ele tocou nas 3 bandas, sendo que cantou em 2 delas) viajar com Henrique em efeitos psicodélicos, solos de escaletas e muito mas, muito barulho na música “Sanity Seeker” que se mistura com “Quarantined” do At The Drive in. A platéia que estava lá chocou e eu gravei tudo, vai estar no doc que estou editando. Aguardem e confiem!

E foi isso, acordamos com o sol na cara às 8h, tomamos caldo de cana com pão, queijo, grapete, cuscuz e guisado na feira de Santa Cruz, a maior feira popular que já vi na vida. Arrumamos a van e fomos para Caicó. Esse é um outro capítulo que conto daqui a pouco.

Caicó, cidade de mais de 50 mil habitantes, já tem uma história no Rock. Além de uma cena que apesar de tímida já tem força e continuidade, a cidade é bem estruturada com locais para shows bacanas, equipamentos e pessoas que fazem o rock acontecer. Uma dessas pessoas é Ícaro, roqueiro que tava organizando o evento, que vive entre Natal e Caicó. Ele vai muito no Centro Cultural DoSol e sempre organiza umas caravanas trazendo a galera de Caicó pra ver shows em Natal.

Chegamos em Caicó por volta do meio dia, e pudemos notar com força o clima “desértico” que tanto falam de lá. Eu acho que passei o maior calor da minha vida, um clima quente e abafado e de noite esfria de um jeito que se vc não levar casaco vai bater o queixo. Fomos para o local do show passar som, um bar/restaurante chamado Dalmoro, e vimos um lindo por do sol nas serras do Seridó. No interior os shows acontecem ao ar livre, sem cobertura e sem medo de ser feliz, porque NÃO CHOVE MESMO. Passamos o som, que por sinal estava excelente, e fomos jantar. Às 22h já estávamos arrumadinhos de volta pro rock.

Às 22h30 começou o show da banda SPA (acho que é esse o nome), que substitui o Erro 404 que não pode fazer o show. Com um som punk rock, tocaram várias músicas do Gritando HC, RDP e Garotos Podres. Foi divertido e a platéia achou também! Logo em seguida veio a banda Mr. Porn, de Patos/PB. Galera gente fina e tal, mas assim como o Messias um pouco verde e com uma presença de palco muito estranha (o vocal ficou boa parte do show ajoelhado com o capuz cobrindo a cabeça), a platéia dispersou geral.

Então, subiu o The Sinks para fazer aquele show redondo de novo. Apesar de Henrique ter segurado a maior onda, e talvez tocar até melhor do que Anderson, a banda ficou sem graça sem a presença do Foca. Eu pelo menos achei, mais até por falta de um cara que falasse chamando a platéia. O público em torno de umas 120 pessoas gostou muito do show. Mas acho que faltou aquela interação banda-platéia.

E aí veio o Camarones que teve toda a maior interação banda-platéia da noite. A galera do interior se gosta da banda, vê o show colada no palco. E como o palco era baixinho, ficou quase claustrofóbico o negócio. Ícaro estava um pouco receoso com o fato de ser uma banda instrumental, já que, segundo ele, nunca tinha tocado uma banda assim por lá. Mas foi uma bela surpresa. As pessoas gritavam, aplaudiam, urravam, foi uma comoção. É como eu já disse, música divertida é a premissa básica do Camarones. E se não tem voz, tem 3 guitarras troando, a platéia se identificou na hora.

E finalizando a noite, o Calistoga fez um show mais legal ainda do que o de Santa Cruz. Daniel, que foi substituindo Fernandinho, se garantiu muito na bateria. Show redondo, Dante e Henrique se irritaram um pouco com a galera pedindo covers, o que é natural de um processo de fortalecimento de uma cena autoral. Com o tempo a platéia começa a curtir o repertório próprio das sem precisar do cover para se divertir.

Já eram mais de 5h da manhã quando comemos e guardamos tudo na Van. Então, com o dia claro, resolvemos colocar o pé na estrada e voltarmos para Natal, um pouco mais fortalecidos como banda, mas tarimbados como músicos e com muitas histórias para contar. Algumas pessoas podem até dizer “deus me livre de ir pro interior, que roubada”. Eu digo a elas que é o rock! E que só passando por essas e outras, conhecendo outras realidades e vendo que nem tudo são flores é que a gente pode dar o real valor ao que temos. Nada fortalece mais uma banda do que viajar, tocar em todo tipo de condição, e criar novos públicos. Tô doida pra fazer tudo de novo!

ENTREVISTA: GABRIEL CAETANO (LUMO COLETIVO)

Conteúdo original do Recife Rock

Por Hugo Montarroyos

Uma das iniciativas mais bacanas a surgir no Recife nos últimos tempos é a criação do Lumo Coletivo. Como o próprio nome indica, trata-se de um coletivo formado por músicos, produtores, jornalistas, roadies e etc que compartilham de um mesmo ideal: viabilizar a circulação da música independente pernambucana nos âmbitos local, nacional (e, por que não, até mundial?), dando suporte para produção de eventos e criando um espaço para discussão de idéias e de fomentação de todos os processos que envolvem a cadeia produtiva da música independente. Com sede baseada em Setúbal, O Lumo Institucional está produzindo sua primeira festa, que acontece nessa sexta-feira, dia 12 de setembro, no Quintal do Lima, com shows da Nuda e da Camarones Orquestra Guitarrística, de Natal. Entrevistei por e-mail Gabriel Caetano, responsável pelo Núcleo de Planejamento do Coletivo, que falou das principais idéias e intenções do Lumo. Abaixo, a conversa com Gabriel, o release oficial do Coletivo e o serviço da festa.

Lumo Coletivo

Trocando em miúdos, o que é o Lumo Coletivo?
O Lumo Coletivo é uma união de pessoas em prol de um objetivo comum. Essas pessoas são bandas, fotórgrafos, designers, produtores, jornalistas, técnicos em áudio, videomakers, roadies, administradores, engenheiros, publicitários, dentre outras funções (incluindo barman, haha). E esse objetivo comum é a vontade desse pessoal de ver toda essa cadeia da qual participam fluindo de forma coerente, sustentável e produtiva. Continuar lendo

ROCK POTIGUAR: CAMARONE ORQUESTRA GUITARRÍSTICA NA COLETÂNEA DO SITE O GRITO

Fonte: Press Release

Coletânea da Revista O Grito! traz promessas e novidades da cena independente brasileira
O Grito! lança uma coletânea virtual com novos nomes da cena independente brasileira. Disponibilizada gratuitamente no site do Recife Rock, “O Grito Ano Um” traz músicas inéditas de bandas pernambucanas como a Chambaril e Monodecks, que preparam lançamentos para o segundo semestre.
O álbum foi lançado em parceria com o selo pernambucano Bazuka Discos, do Coquetel Molotov e o Recife Rock! Discos. O tracklist contém 16 músicas, trazendo em sua seleção, os grupos Surfadélica (SP), Ruído/mm (PR), AMP (PE), Camarones Orquestra Guitarrística (RN), Fossil (CE), a cantora paulistana Tiê, o projeto solo de Zeca Viana (da Volver), o pequeno fenômeno folk paulista, Stephanie Toth e o insano Diego de Moraes, de Goiás. Todos apontados como novas promessas da cena musical independente brasileira.
01 – Chambaril – A Sério
02 – Fossil – Aurora Borealis
03 – Monodecks – A Trapezista
04 – Guizado – Vermelho
05 – Ruído/mm – Novíssima
06 – Private Dancers – Well Well Girl (Jenner Mix)
07 – Surfadélica – Freaking’Out Surfin’In
08 – Zeca Viana – Doutor Ervilha
09 – Stephanie Toth – The Size Of A Buick
10 – AMP – Ataque dos Aliens
11 – Sweet Fanny Adams – Hate Song #3
12 – Pélico – Completo(a)
13 – Tiê – Passarinho
14 – Diego de Moraes e o Sindicato – Amigo
15 – Camarones Orquestra Guitarristica – Antonho, O Grande
16 – Yanto Laitano – Eu Nao Sou Daqui
17 – (Hidden Track)
Coletânea O Grito – Ano Um (64mb)
Link para download:
http://www.reciferock.com.br/?dl=18

ROCK POTIGUAR: ESTÚDIO DOSOL MOVIMENTADO

Acompanhem a movimentação do Estúdio Dosol nos próximos dias:

- DOMBEN: A banda novata no rock potiguar Domben registra duas músicas no Estúdio Dosol. As gravações começam hoje. O onda da galera segue na linha tranquila e harmônica de bandas como Mombojó entre outras. Continuar lendo