Resenhas

RESENHA DE DISCO: THE DEAD ROCKS – MILLION DOLAR SURF BAND

Por Bruno Nogueira, Recife

Conteúdo: Popup

Você não precisa gostar de ir a praia, ou mesmo de surfar, para gostar de surf music. Essa é uma das verdades inalienáveis da música pop que se confirmam sempre na cena de abertura de um filme como Pulp Fuction ou em um disco como esse do Dead Rocks. Quando pensamos em termos de música instrumental – de cara, a mais experimental de todo o universo pop – podemos dizer que aqui é sempre terreno para jogo ganho. Quer dizer, me mostre um cara que não goste de surf music e eu te mostro um mal caráter, na certa.

Jogo ganho da metade para o fim, claro. Esse argumento de partida complica toda a primeira parte do processo. Afinal, se eu te pedir agora “pensa em alguma surf music”, você vai saber que elementos somar, que caminho seguir e onde pretende chegar. Tem essa sensação de que se desgasta fácil, acaba rápido, tem pouca coisa para se fazer depois das últimas três décadas. Como se atinge então alguma criatividade que dure cerca de uma hora e se divida em três faixas?

Parece que na cabeça desse trio do interior de São Paulo isso sequer está guardado na gaveta dos problemas. Na verdade estava tudo armazenado no deposito “One Million Dollar Surf Band”, que agora eles resolveram lançar em formato de CD. Embalaram tudo em digipack e estamparam um selo de 10 anos da Monstro Discos. Ou, numa perspectiva mais obsessiva, de quem ainda não conseguiu superar o efeito do repeat mental, lançaram o mais ouro puro do gênero que uma banda brasileira podia conseguir esse ano.

Tem os dois extremos mais clássicos da surf music aqui. O “Million Dollar Theme”, que abre, é acelerado, quase faceiro, com vários braking-points de guitarra que ditam o compasso da dança. Já “Sonic Stars” é mais soturna, intercalada por silêncios, ambas pérolas do rock mais viciantes, carregando um texto sem palavras que remete ao imaginário da praia. Primeiro a aventura com a prancha, depois o conflito da competição, tudo para desaguar em “Boogie Splash Crash”, a baladinha da festa sob sol.

Dead Rocks não perde muito tempo com aquela masturbação virtuosa disfarçada por referências quase acadêmicas tão comum na música instrumental. Eles traçam um destino claro, da mais pura diversão em forma de rock, e seguem nele até o fim. Tem uns tropeços, como em “Nicotine”, com riffs que já soam familiares demais, com uma certa dificuldade de compor seu clima. Seria uma música mais tensa, talvez. Mas tensão é algo difícil de se resolver em dois minutos sem palavras.

Não que a banda esteja livre de referências. É clássico do Dead Rocks prestar homenagem a música brasileira – a versão que eles fizeram para Preciso me Encontrar nunca saiu do meu top sete de faixas mais executadas pelo iTunes – e tanto milhão espalhado pelo disco tem um motivo. Eles trouxeram nada menos que uma versão para “O Milionário”, dos Incríveis, e “País Tropical” de Jorge Ben. A primeira, respeitosamente executada quase como a original; já a segunda, surpreendentemente aparece com uma baladinha com jeitão de lual.

O momento 4:20 do disco – fundamental, afinal, é o único elemento clássico do surf music que sai da praia – fica nos três minutos finais. “Delirius Tremens” são meio minuto com os sons de ondas do mar, que emenda com “Telephone Call”, canção delirante toda acompanhada por toques de telefones. O spoiler é quase inevitável… quando atendem e falam, acaba tudo. Se você não entendeu, cata no Google. Eu também não sabia dessas coisas até outro dia.

Deixando um pouco o deslumbre das faixas de lado, “Million Dollar Surf Band” tem um papel importante de re-contextualização do Dead Rocks. A surf music tem ameaçado cada vez mais o cerco que a World Music faz na música brasileira na Europa. A passos bem curtos, mas ainda assim, presente em cada vez mais coletâneas e circuitos próprios. E essa foi uma das bandas que abriu esse caminho no velho continente pelos idos de 2005.

De lá para cá, o Dead Rocks teve seu grande momento com a vinda de Daddy-O Grande para o Brasil, com quem tocou em São Paulo, Brasília e Goiânia (no festival Bananada) em sete shows, durante seis dias seguidos. Esse disco se encaixa nesse momento em que a bola foi levantada para eles darem o saque. E eles a deixaram lá, no alto, parada, para fazer mais uma turnê fora do país. Voltaram agora, com um saque que pode atingir este ou o próximo continente, determinando muito do futuro na banda.

E, na boa, aposto que vai bater do lado de lá se o circuito independente não se tocar na grande banda que estão para perder para os gringos. Derrota para ser curtida com o próprio tema de um milhão de dólares, que abre o repertório desse disco.

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *