Resenhas

RESENHA DE DISCO: NOVO EP DO FEWELL (RN)

fewell2

O grupo potiguar Fewell sempre foi bastante burocrático para realizar ações necessárias para quem uma banda cresça. Talvez pelo fato de serem novos e mostrarem um pouco de imaturidade na hora de um contato mais direto com o público, o que ficou claro na boa, mas tímida apresentação deles no Festival Dosol 2008.

Só que na hora do que mais importa para uma banda que é a da composição não sei se tem gente aqui em Natal ou mesmo no Nordeste fazendo coisas tão relevantes quanto esses quatro garotos potiguares. E é exatamente isso que eles trazem a tona no EP mais recente deles que ficou pronto na semana passada e que ouvimos em primeira mão aqui no Portal Dosol.

O grupo entrou no Megafone Estúdio com a missão de gravar 4 faixas novas que vão dar um novo “norte” ao trabalho. Sai aquela banda influenciada pelo hardcore indie do Get Up kids e praticamente aparece um novo grupo usando o mesmo nome, emanando sonoridades metálicas, grunge da primeira safra e uma boa dose de experimentalismo para dar um charme e mais nas composições, nem sempre jogando a favor da música.

A primeira faixa que ouvimos chama-se I Know You Know que já começa com guitarras espertas, delays e riffs bendeados. A influência do Foo Fighters ainda está lá usada de maneira inteligente explodindo num refrão roqueiro como as melhores coisas do rock americano. Outro destaque ficou a cargo da excelente mixagem dando uma cara realmente muito profissional ao trabalho que, tenho certeza, vai pegar muita gente de surpresa. A parte desnecessária da canção vem no final com uma parte mais viajante que faz você esquecer de como a música estava boa antes. Uma aresta que deveria ser aparada numa produção mais esmerada mas que não chega a comprometer.

Never Saw The Sea mistura riffeiras a la Soungarden e lembra coisas mais rebuscadas do Silverchair. Também pode ser colocada no hall do metal triste do Alice In Chains como influência. Só coisa fina né não? O refrão também explode numa ótima melodia que empolga a cada nova ouvida. Assim como na primeira faixa a música também se arrasta num final chato que também faz com que você esqueça do que aconteceu antes, inclusive com um solo de bateria sem uma real precisão para o resultado final da música, um caco que eu também apararia para deixar a música mais redonda e certeira, coisa difícil de se fazer hoje em dia.

Overground continua a explosão do metal alternativo que o Alice in Chains popularizou, com boas dobras de voz e riffs cavernosos e solos bem feitos. Das quatro faixas é a canção mais bem resolvida com começo, meio e fim bem definidos e amarrados. Um caminho que eles poderiam seguir nas próximas gravações.

Ahead, a quarta música que compõe o trabalho do quarteto potiguar ainda não ficou totalmente pronta na versão do estúdio mas ela já foi registrada antes em versão ao vivo durante o Festival Dosol 2008. Uma grande música que você pode conferir aqui:

[youtube:http://www.youtube.com/watch?v=AbU_IGqjKEE]

Cabe ao Fewell agora, cair na estrada, tocar bastante e espantar o fantasma de ser uma banda de ótimas composições e gravações mas que não funciona bem (e não se expõe) em shows. É colocar a insegurança de lado e dar a cara tapa para fazer valer o investimento dessa nova empreitada. Parabéns jovens!

A Xubba Musik, selo da banda, promete divulgar o áudio do EP do Fewell a partir de quinta feira desta semana. Assim que estiver no ar myspace ou outras formas de ouvir esse trabalho divulgaremos aqui.

9 Comments

  1. Muito muito muito bom, produção excelente, efeitos escrotos, vocais gritados da melhor qualidade…Gostei muito das musicas !!! Discordo quanto as partes viajantes, achei as melhores partes das musicas, nada chato.

  2. achei o solo de batera ruim para música e a outra parte maior tbm. Mas não desgostei das partes,. só acha que ficaria melhor em elas. Mas ai é uma opinião bastante pessoal e qde quem tá resenhando um trampo.

    Tá lindo e muito bem feito no geral. De novo parabéns.

  3. tive a oportunidade de ouvir algumas músicas, e já posso dizer de cara que foi, em relação à qualidade, a melhor gravação de uma banda potiguar de rock nos últimos anos, sem falar que as músicas estão do caralho!

    deve ser muito bom vc mandar ver numa gravação, fazer pingar o suor e ver que saiu fuderoso e que valeu a pena!

    muita banda daqui não vai chegar nem a amarrar a chuteira dessa gravação do fewell.

    o negócio agora é eles mandarem ver nos shows e mostrar que a banda é aquilo que eu ouvi!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *