Matérias Especiais

HUGO MORAIS (RN): ROCK INSTRUMENTAL

Por Hugo Morais, Natal/RN

Conteúdo: Bem vindo, Boa Viagem

O ano está encerrando e foi pródigo em bandas de rock instrumental. Há quem diga que esse foi “O Ano” das bandas instrumentais, que houve uma redescoberta. Não é que elas renasceram, elas sempre existiram. Mas esse anos algumas lançaram discos esse ano que não ficam atrás de nenhum com vocal. As vezes até é melhor, porque as letras, o vocal, podem acabar com toda a beleza da melodia. Sem muitas delongas vamos a três discos de rock instrumentais que foram lançados em 2008 e você, você, todos você, precisam ouvir. Senão Zé do Caixão vem puxar seu pé à meia-noite.


Um Olho no fósforo, outro na fagulha. Esse é o singelo título do segundo disco da banda gaúcha Pata de Elefante, que agrada quem gosta de hard rock e adjacências. Na ativa desde 2002, o trio tocou esse ano no Abril ProRock e segue festivais afora. Como todos na banda são compositores, as músicas são heterogêneas, coisa não muito comum em bandas instrumentais de surf music, por exemplo. O disco em questão possui 18 faixas musicais que podem ser canções ou vinhetas. Clique no link e baixe o disco.


One Million Dollar Surf Band. Esse é o nome do último disco da banda The Dead Rocks que é de São Carlos (!), interior de São Paulo. Uma das melhores bandas de surf music nacionais. O trio formado por Johnny Crash, Marky Wildstone e Paul Punk lançou este ano esse discão com 14 faixas. Quem achar que vai escutar um disco de surf music convencional é melhor tirar o cavalinho da marola. A banda destila riffs vintage gravados na Europa durante a segunda turnê por lá e conta até com bongô e outros instrumentos que dão um charme a mais no som de água salgada e palhas de coqueiro. Vista a bermuda, passe parafina na prancha e se delicie com petardos deliciosos da mais pura surf music brasileira. O link é para o site deles que tem o disco para baixar.


O trio cuiabano Macaco Bong esteve em Natal três vezes. Uma no MADA, uma no DoSol Rock Bar e outra, uma semana depois, no Festival DoSol. Essas duas últimas vezes foram no fim de outubro e início de novembro e eles já estavam com o disco Artista Igual Pedreiro sob os braços. Nas três oportunidades eles foram ovacionados, prova de que não é a toa que estão rodando o país inteiro nos festivais independentes. Os macacos fazem um rock sem rótulo, as músicas parecem jam sessions puxadas tanto para hard rock como para psicodélico, só ouvindo para entender. O link é para baixar o disco no site da Trama Virtual, mas antes tem que fazer um cadastro.

Esses três discos estão entre meus preferidos em 2008. Merecem ser ouvidos com calma. Mas aqui em Natal e Fortaleza existem bandas instrumentais boas também. Daqui de Natal: Camarones Orquestra Guitarristica. De Fortaleza: O Garfo e Fóssil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *