VINI D`ÁVILLA – CÉU ARRANHADO COR DE CHÃO

CAPA

Vini D`avilla já tem história para contar. Começou na  música em Natal participando de várias bandas locais, foi morar no Rio de Janeiro para tentar a sorte na carreira, mudou-se para São Paulo, formou o Vinda e agora lança seu primeiro trabalho solo, o EP  ”Céu Arranhado Cor de Chão”. Trampo que alimenta ainda a verve de ótimo compositor do artista e também o consagra como um ótimo intérprete.

Vini nunca renegou a música pop, a busca por um hit, por aquela canção que emocione estão impressos no trabalho. Vale a ouvida, vale o texto e vale os arranjos caprichados que permeiam todo o trabalho.

Vini D`Ávilla - Céu Arranhado Cor de Chão (Download Gratuito) (238)

SUELDO SOARESS (RN) – FAÇA VALER (2015)

SUELDO_capa (1)

A voz suave e a carreira contundente do potiguar Sueldo Soaress ganha um novo capítulo com o lançamento do EP “Faça Valer”. O EP com quatro faixas foi produzido por Anderson Foca, gravado no Estúdio Dosol e mixado no Megafone. Em busca de uma sonoridade diferente para os seus novos trabalho Sueldo procurou explorar ao máximo os grooves da cozinha poderosa formada por Darlan Marley (bateria) e Erick Firmíno (baixo), resultando num trabalho para frente, cheio de levadas interessantes, cercadas por guitarras pontuais e certeiras de Ricardo Baya, que completa o lineup da gravação álbum.

É para ouvir dançando, para viajar no loop, para prestar atenção e para celebrar os quase 30 anos de carreira de uma das figuras mais carismáticas e importantes da música potiguar. Viva Sueldo!  Baixe agora!

Sueldo Soaress - Faça Valer (download gratuito) (237)

COMO FOI? MOJO FESTIVAL (BELÉM/PA)

aeroplano

 

Por Foca (foto por Tita Padilha)

Aeroporto de Brasília em setembro do ano passado. Camarones e Molho Negro tinham acabado de fazer uma série de shows bem grande pelo Sudeste e na volta para casa rolou um papo longo comparando os cenários musicais de cada cidade, suas diferenças e que tipo de sustentabilidade íamos conseguir no futuro.

Nesse papo todo fui dizendo para João do Molho Negro que eu não acredito mais no modelo pay-to-play anos 80 em que a música se meteu, que a vivência, o empreendimento cultural eram bem mais legais que só o esquema cachê/tocar. Nisso veio todo uma análise sobre Natal e Belém, como ficar de pé com música nessas cidades e a ideia do Mojo Festival foi sendo consolidada baseada nas histórias embrionárias do Festival Dosol. Tirando o maravilhoso Se Rasgum e ações da prefeitura/governo, acho bem pouco uma cidade enorme e com uma produção cultural/musical gigante como Belém ter como referência só essas atividades. Claro, tem dezenas de outros mini-festivais, ações legais. Mas o fato é que quanto mais esse tipo de atividade fica aquecida todo mundo ganha. Música não tem a mesquinharia do contato. Fãs de música gostam de várias bandas diferentes e querem várias atividades diferentes igual. Quanto mais bem feitas melhor! Essa é a lógica (pelo menos a nossa).

Começamos a trocar ideia do que seria um bom festival de rock para Belém? O Dosol se dispôs a ajudar na pré-produção, aconselhar, pitacar e ver ideias se tornando reais. Foi assim até a turma do Molho Negro pegar a direção, pisar no acelerador e botar o rock na rua.

Tudo se consolidou no último dia 02 de maio, data mais contra-mão impossível. No meio do feriadão e período master das chuvas na região. Ao mesmo tempo no feriadão dava pra receber bandas de fora com mais facilidade e assim foi montado o lineup e a festança que vimos no lotadíssimo Chevallier no último sábado.

E que lugar hein? Os donos só podem ser loucos. O lance é tipo um antiquário que também é cedido para festa, casamento, 15 anos e afins. O palco ficou lindo, estrutura de primeira, perfeita pro rock (pop) paraense desfilar seus hits e heróis locais, e não foram poucos. A programação começou com o Meio Amargo que já tem seguidores e pelo menos cinco bons hits acompanhados pela já ótima audiência no começo da noite. Banda pronta para cometer um ótimo álbum e sair das fronteiras do Pará. Tem que acreditar.

O Blocked Bones se junta aos The Baggios e aos Red Boots nessa leva de ótimos duos que vem despontando no país. Eles são menos selvagens que esses dois primeiros, mas não menos legais. Gostei bastante e fiquei sabendo que estão pertinho de gravar um disco caprichado. Já estamos no aguardo. O Turbo provou sua popularidade junto ao público paraense destruindo nas músicas do seu disco novo tocado na sequência durante o Mojo. Melhor show que vi deles e já ansioso pelo já lendário disco gravado na Suécia (que vai ser pelo Dosol inclusive). Bonito de ver.

Na sequência toquei com os Camarones e fiquei com a impressão de que Belém é uma das cidade que melhor recebe nossas músicas. Show insano. Eu mal toquei, muito bode no meu equipamento, mas e daí? Foi lindo igual. Rolou um orgulho de estar lá e ver nascer um festival com muito futuro bom pela frente! Em seguida veio o melhor show de toda a parada: que banda é o Aeroplano e que punhado de músicas cativantes e excelentes que eles tem para mostrar. Muito bom ver um banda de pop rock realmente excelente em todos os aspectos. Até na hora de uma curta queda de energia parecia ensaiado, a banda parou, o público continuo tocando e o som voltou bem na hora do estribilho. Sorte de campeão, e eles foram os campeões da noite.

Já era quase duas da manhã quando o Soulvenir subiu para tocar, numa missão ingrata de vir depois do Aeroplano. Mas eles não se acanharam e também fizeram um ótimo show, mesmo com uma audiência menos participativa (mas não menos contemplativa) que nos shows anteriores. Não vi o Molho Negro. Já vi 70 vezes e é sempre EXCELENTE. Um dos melhores show de rock do país. Eu tava cansado, tinha dirigido por 12 horas no dia e a pilha acabou.

O Mojo Festival tem tudo para entrar no calendário dos festivais de música alternativa do país, não só pelo que fez no seu ano zero, mas pelo enorme fluxo musical que a cena paraense tem para oferecer em todas os estilos da música. Belém fervillha, esquenta, amorna mas a verdade é que nunca esfria. E o fogo desses jovens que empreenderam para construir o Mojo Festival é necessário e definitivo para a coisa continue assim. Vida longa!

 

 

 

KATAPHERO (RN) – FROM DUST (2015)

capa

Pesado. Muito pesado. Essa é a primeira coisa a dizer sobre o quarteto potiguar Kataphero. Metal progressista, temático, dark e bruto, o Kataphero lança “From Dust”pelo Dosol, dentro do projeto Incubadora, com apoio do Rumos Itaú Cultural.

“From Dust é a primeira parte dos dois albums conceituais cuja narrativa aborda, em formato de tragédia, o mito da origem humana, com o enredo calcado na saga do único remanescente de uma tribo nômade extinta 13 mil anos atrás. Sob um olhar primal e animalesco, o Kataphero  compõe a atmosfera densa em que 9 músicas nos proporcionam uma viagem visceral  ao cenário desolado onde o corpo e mente de uma criança primitiva se desenvolve completamente isolada”, diz a banda nas entrevistas de divulgação do disco.

O disco foi totalmente feito no RN, gravado no Estúdio Dosol e mixado e masterizado no Megafone, com produção da banda e Direção Artística e Executiva de Anderson foca e Ana Morena.

Baixe agora!
Kataphero - From Dust (Download Free) (927)

Playlist Kataphero DosolTV

MAÍRA SALLES – ARETÉ (2015)

MAIRA_capa_rgb

Maíra Salles é uma das excelentes revelações da música potiguar. Cantora de mão cheia e compositora atuante, faz sua estréia em álbum com “Areté”, um passeio pelos mais diversos loops, levadas e estilos da música brasileira.

O disco desfila ritmos diferentes, ora envolto em arranjos jazzísticos e tortos capitaneados pela produção e arranjos de Ricardo Baya, ora resvalando no pop com faixas dirigidas por Anderson Foca e Gabriel Souto. Essa mistura deu sabor e molho para “Areté”. Além dos já citados, bambas da música potiguar tocaram no álbum como Rogério Pitomba e Darlan Marley (bateria), Junior Primata (baixo) e Kleber Moreira (percussão).

“Foi um desafio fazer a direção artística de um disco de música brasileira como o da Maíra. O Dosol é um selo muito ligado ao rock e acho que esse trabalho amplia a nossa área de atuação”, diz Anderson Foca do Dosol.

“Esse foi um tipo de trabalho que eu nunca tinha feito, muito dinâmico e num ritmo intenso. Foi uma ótima experiência e o resultado ficou muito bom. Já estou ansiosa para tocar Areté ao vivo”, diz Maíra.

O álbum de Maíra Salles é mais um lançado através da Incubadora Dosol, projeto do selo que em 2014/2015 tem apoio do Rumos Itaú Cultural. O conceito gráfico é da artista plástica Sabrina Bezerra. Baixe Agora!

Maíra Salles - Areté (Download Gratuito) (848)

 

PLAYLIST DAS GRAVAÇÕES DO ÁLBUM

FUKAI – ABAETÉ (2015)

capa fukai webNunca é tarde mas já era hora. O Fukai finalmente lança seu primeiro álbum completo intitulado Abaeté. O lançamento é do Dosol, através do projeto Incubadora, que na temporada 2014 e 2015 tem o apoio do Rumos Itaú Cultural.

Abaeté é para quem gosta de praia, pra quem quer ver a vida passar calmamente sentindo a brisa do fim da tarde ou tomando uma cerveja com os amigos ouvindo um som tranquilo. Poucas vezes se fez um disco tão praiano no RN e a gente já estava merecendo algo assim.

O Fukai também mostra técnica e inspiração nas composições. As longas músicas, muitas como solos extensos e vocalizações harmoniosas dão o tom do disco inteiro que tem faixas cantas em português, inglês e espanhol. Então é isso, já temos mais uma trilha para embalar o fim de tarde e ficar “de boa”. Sorte a nossa e sorte da música potiguar! Abaeté!

 BAIXE AGORA!

Fukai (RN) - Abaeté (2015) (1738)

 

PLAYLIST (FUKAI DOSOL) 

TALMA&GADELHA – MIRA (2015)

CAPA TG MIRA

Na música independente brasileira chegar ao terceiro álbum é um feito, uma vitória. E é com muita alegria que lançamos o terceiro trabalho do Talma&Gadelha intitulado “Mira”. O disco faz parte do projeto Incubadora Dosol 2014/2015 que nesta série de lançamentos teve apoio do Rumos Itaú Cultural.

“Mira” é um álbum inspirado para quem curte música pop feita com cuidado, com carinho. É um trabalho para cantar junto, assim como quase tudo que sai das composições de Luiz Gadelha e Simona Talma, principais compositores da banda, nesse disco turbinados pela participação de Adriano Sudário em algumas faixas.

As gravações foram todas no Estúdio Dosol em Natal com produção de Henrique Geladeira (guitarrista do grupo) e Direção Artística de Anderson Foca e Ana Morena (Incubadora Dosol). A mixagem e masterização ficaram a cargo da equipe do Estúdio Costella em São Paulo liderada Chuck Hipolhito e Paulo Senoni.

“Mira” é mais um excelente trabalho do Talma&Gadelha, recomendamos ouvir alto. Divirtam-se.

Talma&Gadelha - Mira (Download Gratuito) (2913)

CAMARONES ORQUESTRA GUITARRÍSTICA: RYTMUS ALUCYNANTIS (2015)

camarones

CAMARONES ORQUESTRA GUITARRÍSTICA LANÇA “RYTMUS ALUCYNANTIS”, SEU QUINTO ÁLBUM
Grupo potiguar parte para extensa tour de divulgação com datas no Brasil, Inglaterra, Espanha e Portugal

Surf Music envenenado, Reggae Eletrônico, Rock com afinação baixa, Ska dançante, Rocksteady tranquilo ou Rockabilly pro baile. Parece bem eclético e na verdade é, mas foi dessa maneira que o Camarones Orquestra Guitarrística, quarteto de música instrumental potiguar, decidiu compor e gravar seu quinto álbum. Rytmus Alucynantis é na verdade uma ode à alegria e à música dançante.

“Toda ideia do álbum passou pelo show, em como isso vai ser feito ao vivo, como vai funcionar. Então tivemos a ideia do nome que seria uma espécie de ataque de um mosquito que em vez de deixar as pessoas doentes, faz com que elas dancem e se divirtam alucinadamente, o nome desse mosquito? Rytmus Alucynantis. Todo o conceito do disco está em volta da pesquisa da música dançante no nosso universo de atuação, e que a gente se sentisse capaz de tocar com nossa formação”, diz Anderson Foca, guitarrista e tecladista do grupo.

O álbum foi todo gravado no Estúdio Dosol e mixado no Megafone, ambos em Natal/RN. A produção ficou a cargo de Anderson Foca com assistência de produção de João Lemos (Molho Negro) para cinco faixas. Vários convidados estão no álbum. O já citado João Lemos junto com Augusto Oliveira (Molho Negro), Ynaiã Benthroldo (Boogarins), Esdras Nogueira (Móveis Coloniais de Acaju), Léo Martinez (Velociraptors), Kaká Monteiro (Fuzzy) e Léo Chermont (Strobo). A capa do trabalho ficou a cargo do ilustrador paulista Wildner Lima.

“Fizemos muitos amigos nas nossas tours e é muito bom contar com várias participações no álbum de pessoas que curtem e acompanham nosso trabalho de perto”, diz Fausto Alencar, guitarrista do Camarones. Além do lançamento com download gratuito e em todas as plataformas de streaming e Itunes, “Rytmus Alucynantis” também vai sair em vinil numa parceira dos selos Dosol, Assustado Discos e Setalight Records (Alemanha).

O novo álbum do Camarones Orquestra Guitarrística vem junto com o anúncio de uma extensa tour do grupo que vai passar pelas regiões Sudeste, Norte, Nordeste Centro-Oeste do Brasil e ainda na Inglaterra, Espanha e Portugal no primeiro semestre. Para o segundo semestre a tour continua com shows pelo país e datas na França, Alemanha e Suécia. Rytmus Alucynantis é um lançamento do Dosol, selo potiguar com 14 anos de atuação no mercado independente.

LINK PARA DONWLOAD GRATUITO – RYTMUS ALUCYNANTIS

Camarones Orquestra Guitarrística - Rytmus Alucynantis (2015) (3196)

 Confira as datas e cidades da tour:

tour camarones

MARÇO
28/02 – João Pessoa/PB
06/03 – Campina Grande (PB)
13/03 – Currais Novos/RN
14/03 – Caicó/RN
15/03 – Santa Cruz/RN
21/03 – Macaíba/RN
22/03 – Natal/RN

ABRIL
10/04 – São Paulo/SP
12/04 – Campinas/SP
16/04 – Rio de Janeiro/RJ
17/04 – Petrópolis/RJ
18/04 – Belo Horizonte/BH
19/04 – Rio de Janeiro/RJ
22/04 – Bauru/SP
24/04 – Sorocaba/SP
25/04 – Rio Claro/SP
25/04 – Piracicaba/SP
26/04 – São Paulo/SP
30/04 – Mossoró/RN

MAIO
01/05 – Teresina/PI
02/05 – Belém/PA
03/05 – Bragança/PA
07/05 – São Luiz/MA
08/05 – Parnaíba/PI
09/05 – Sobral/CE
10/05 – Fortaleza/CE
15/05 – Goiânia/GO
16/05 – Brasília/DF
21/05 – São Paulo/SP
23/05 – Liverpool/Inglaterra
24/05 – Liverpool/Inglaterra
25/05 – Londres/Inglaterra
28/05 – Barcelona/Espanha
29/05 – Barcelona/Espanha
30/05 – Barcelona/Espanha

JUNHO
03/06 – Vigo/Espanha
04/06 – Porto/Portugal
05/06 – Viana do Castelo/Portugal
06/06 – Vila real/Portugal
07/06 – Barcelos/Portugal
08/06 – Braga/Portugal
09/06 – Leiria/Portugal
10/06 – Coimbra/Portugal
11/06 – Lisboa/Portugal
12/06 – Portalegre/Portugal
13/06 – Évora/Portugal
21/06 – Natal/RN
*Com possibilidade de pequenas alterações de datas e cidades.

RELEASE OFICIAL: NATAL INSTRUMENTAL 2014

natal_instr

Festival Natal Instrumental terá três dias de shows gratuitos em dezembro

Apresentações de 19 artistas de todo o país vão movimentar a capital potiguar na edição 2014 do festival, que acontece entre os dias 11 e 13 de dezembro

Entre os dias 11 e 13 de dezembro acontece a segunda edição do Festival Natal Instrumental, atividade que vai reunir 19 artistas instrumentais do país com destaque para a cena potiguar. Os shows são gratuitos e vão acontecer no El Rock, Centro Cultural DoSol e Casa da Ribeira. A ação faz parte do programa Unimed Cultural, com patrocínio da Unimed Natal, através da Lei Municipal Djalma Maranhão e a realização é da Associação Cultural DoSol.

“Para essa segunda edição, resolvemos aumentar o número de artistas no palco e também ganhamos mais um dia de programação. Vão ter várias bandas e artistas potiguares, além de gente da Bahia, Pará, Paraíba, Santa Catarina e Piauí”, explica Anderson Foca, coordenador e curador do festival.

Além dos shows, o Natal Instrumental prevê a documentação em áudio e vídeo de todas as apresentações, dando continuidade a forte ação de documentação realizada pela Associação Cultural DoSol de todos os projetos que realiza. “Na edição do ano passado, a nossa documentação gerou um excelente documentário sobre parte importante da cena instrumental potiguar. Para esse ano queremos gravar alguns shows completos e filmes também”, diz Ana Morena, coordenadora geral do festival.

Nesta segunda edição, o festival segue com a proposta de divulgação e fomento da cena musical potiguar, englobando várias ações produzidas pelo Dosol como o Pensando Música, Festival Dosol, Virada Cultural de Natal e Circuito Cultural Ribeira.

Unimed Cultural

A edição 2014 do Festival Natal Instrumental só virou realidade graças ao patrocínio da Unimed Natal, através do programa Unimed Cultural. O edital promovido pela empresa selecionou vários projetos em diversas áreas da cultura. O patrocínio é feito através da Lei de Incentivo Djalma Maranhão e faz parte das ações culturais que a Unimed Natal promove durante o ano.

Programação

Quinta, 11 de dezembro

El Rock, 21h
Mamute (RN)
Koogu (RN)
Ruído de Máquina (RN)

Sexta, 12 de dezembro

Casa da Ribeira, 20h
Jubileu Filho (RN) convida Zé Filho (PB)
Duo Taufic (RN)

Centro Cultural Dosol, 21h
Jubarte Ataca (RN)
Aloha Haole (PI)
Skrotes (SC)
Strobo (PA)
Mahmed (RN)

Sábado, 13 de dezembro

Centro Cultural Dosol, 18h
Zurdo (RN) Convida Fernando Cappi (Hurtmold)
Adriano Azambuja (RN)
Vendo 147 (BA)
Camarones Orquestra Guitarrística (RN)
Burro Morto (PB)

Casa da Ribeira, 20h
Saturnino e Disco Avuadô (RN)
Sérgio Groove (RN)

Serviço

O que? Festival Natal Instrumental
Quando? Dias 11 e 13 de dezembro
Onde? El Rock, Centro Cultural DoSol e Casa da Ribeira
Entrada? Acesso gratuito
Realização? Associação Cultural DoSol
Mais informações: assessoria@dosol.com.br

COBERTURA FESTIVAL DOSOL 2014: O CHAPLIN (QUARTO DIA)

“O quarto e último dia do Festival DoSol, pelo que se pôde ver nas redes sociais, era o mais aguardado. Desde o anúncio de sua chegada para o encerramento do evento, era possível observar nos rostos da minha geração e muitas outras – 5 anos para mais e para menos – uma euforia. Começando uma nova turnê nacional, a baiana Pitty e sua banda chegariam no DoSol para mostrar, naquele fim, o poder que o rock ‘n roll tem para extravasar os sentimentos.”

http://www.ochaplin.com/2014/11/festival-dosol-quarto-dia-com-pitty-e-mais-7-vidas-pra-recuperar-o-folego.html