Simona Talma une bandas, compositores, cantores e músicos de todo Brasil em seu novo álbum

Simone Ficcao capa kick

Desde 2012 sem lançar um disco solo, Simona Talma se dedicou, nos últimos quatro anos, à banda Talma&Gadelha, lançou três discos e viajou pelo Brasil em shows independentes e festivais. Compositora, cantora e produtora há 16 anos, ela vive em Natal, hoje um dos pólos exportadores da nova música brasileira.

Para o novo disco, seu maior desejo era encontrar parceiros pra dividir um projeto ousado que saísse da zona de conforto. Assim, ela convidou o produtorGabriel Souto (Du Souto e Luisa e Os Alquimistas) não apenas para produzir, mas para uma parceria completa. “Sempre quis trabalhar com Gabriel, pois enxerguei boas possibilidades em seu trabalho como DJ, mesmo ele não sendo um produtor de Rock ou de Blues, eu sentia afinidade pelas suas produções e bom gosto. E aí mora o desafio” Afirma Simona.

Fãs de cinema, os dois resolveram fazer um disco como quem faz um filme, mas deixando a história ser contada pela música. A ideia é fazer um disco sem banda e convidar músicos, cantores e compositores, dos quais admiram o trabalho, pra criar e gravar. Simona e Gabriel começaram a montar as faixas do disco, intitulado Ficção, convidando compositores como Andrea Martins (Canto dos Malditos na Terra do Nunca- BA), Juão Nin (Androide Sem Par- RN\SP) – responsável pela letra da música Ficção, que dá nome ao disco -, Valéria Oliveira (RN), Anderson Foca (Camarones–RN), Júlio Andrade (The Baggios–SE), Rodrigo Ciampi (SP), Emmily Barreto (Far From Alaska – RN\SP), Bruna Mendes (GO), Pheel Balliana (Itália), gravando faixas com bandas inteiras como a Kung Fu Johnny(RN)
e a Mad Dogs (RN).

“O processo do disco tem sido totalmente colaborativo, todos os músicos e artistas envolvidos estão apostando no trabalho e cada etapa tem sido emocionante, desde receber as músicas a gravar com pessoas que nos inspiram como Ian Medeiros da Mahmed e Kung Fu, que tem sido bem presente no processo” diz Gabriel. Além de fazer intercâmbio entre artistas de lugares diferentes (até agora 10 músicos já participaram das gravações e há 10 compositores envolvidos na criação), o disco já foi gravado nos Estúdios Suame, Cantilena e Atelier do Som, com colaboração de cada pessoa que grava, dos equipamentos à criação das músicas.

Link para o financiamento coletivo
http://www.kickante.com.br/campanhas/simona-talma-ficcao-novo-album

Vídeo de apresentação:

PEDRAS (RN) – ARRANJOS DO QUE SOBROU DEPOIS DO SURTO

Album-do-Pedras-hd (1)

“Arranjos do que sobrou depois do surto’’ é o novo som do pesquisador musical e multi-bruxão Pedras (nominho de registro mesmo!). As músicas nasceram depois que vários outros arquivos sumiram e o teto da casa caiu. Tudo ao mesmo tempo, piração e sutileza. Arranjos psychoeletroshamanísticos dançantes y cambaleantes. 12 hits para viajar por diferentes lugares e sair renovado (ou não).  

Além disso, Pedras toca nas bandas Igapó de Almas, Luisa & Os Alquimistas e Esquizophanque, mas de uma hora pra outra adotou o codinome anti-conspiração technoilluminati |>3?Я4§ e agora só abre a porta se você chamar assim (risos). Aqui você encontrará músicas para dançar sozinho em planetas distantes, outras para dormir profundamente, badalos de relógio que lembram o tempo das máquinas, baladas de consultório sossegando o caos. Tudo banhado num mar nova era de samples que sabe-se lá de onde vieram ou para onde vão, descubra! Medite em ação na mística dos paradoxos que compõem esse disco, feito com todo carinho no Estúdio Cigarra e lançado pelo selos Dosol e Rizomarte.

Na sua playlist de maluco sempre rola inspiração com o bonde dos empenadinhos Amon Tobin, Macintosh Plus, Aphex Twin, Kid Coala, Jão Frustante, Uakti, Tom Zé, Chico Correa, Naná. Seu caldeirão não é do Huck mas se precisar ele fica verdinho.

BAIXE A LOMBIA AGORA!

PEDRAS - Arranjos do que sobrou depois do surto (273)

FIVE MINUTES TO GO (RN) – GHOST TOWN (2016)

5minutestogo (1)

O rock acabou e estamos aqui das catacumbas ensaiando e criando mais riffs sujos e letras contestadoras. Desta vez viemos sobre a alcunha de Five Minutes To Go, porque temos pressa de ir sem saber para onde. Também temos pressa de nos expressar e resolvermos escutar bastante 7 Year Bitch, L7, Off, Fidlar, Bikini Kill e outras bandas do rock acabado para criar o nosso próprio rock.

O resultado é meio esse: rock zuado, cantado por uma menina que quer dar seu recado. Quem não gostar do barulho e da gritaria, tudo bem também. Ouvimos Caetano nas horas vagas ou nas rádios soft. Fique a vontade. Somos ou fomos dos Camarones Orquestra Guitarrística e por lá ninguém canta. Por aqui todos nós cantamos, as vezes juntos, as vezes separados. Porque a gente é assim, nunca ficamos no mesmo, pra gente está sempre faltando cinco minutos para ir.
YVES, KAKÁ E FOCA
BAIXE AGORA GRATUITO!

DOSOL COMEMORA DIA MUNDIAL DO ROCK COM GRANDE FESTA DENTRO DO CIRCUITO CULTURAL RIBEIRA

pedrogalera 83

O Dia Mundial do Rock está chegando e vamos comemorar em grande estilo esse ano com vários shows programados dentro da programação do Circuito Cultural Ribeira. O rolê todo acontece dia 10 de julho, domingão e a entrada é gratuita em todas as atividades.

Serão ocupados com programação o Centro Cultural Dosol, Ateliê e Rua Chile, reunindo dez bandas no total. Confira a programação e já se agende!

Centro Cultural Dosol
18h – Five Minutes to Go
19h – Black Witch
20h – Camarones Orquestra Guitarrística
21h – Talma&Gadelha
Rua Chile
17h30 – Naked Drivers
18h30 – Primordium
19h30 – Monster Coyote
20h30 – Moloko Drive
Ateliê
18h – Beatles Tribute
20h – Rolling Stones Tribute

DANCE OF DAYS E GLORIA FAZEM WARMUP DO FESTIVAL DOSOL 2016 EM NATAL!

dance

O Warmup do Festival Dosol 2016 vai começar com muitas coisas legais sendo agendadas pros próximos dias. A primeira data vocês já podem anotar, é dia 26 de junho com o show das bandas paulistas Dance Of Days e Gloria no Centro Cultural Dosol. As bandas saem em tour conjunta pelo Nordeste e Natal está no roteiro. “O Dance Of Days é uma das bandas emblema do Centro Cultural Dosol, foi o primeiro grupo de fora de Natal a tocar no espaço e ficamos muito felizes que eles ainda estão na ativa e nós também com o CCDosol. É um símbolo de resistência”, diz Anderson Foca do Dosol.

O primeiro lote de ingressos vai estar em venda online ainda hoje, aguardem!

FETUTTINES (RN) FAZ SEUS SHOWS DE ESTREIA NO FIM DE SEMANA. OUÇA O SINGLE!

fetuttines 2

Uma das novidades da cena potiguar desse início de 2016 é o duo Fetuttines, formado por duas das figuras mais ativas da música potiguar: Anderson Foca (também do Camarones Orquestra Guitarrísitica) e Luiz Gadelha (Talma&Gadelha e Suculentos). O duo começou a se reunir há um mês e promete lançar um disco homônimo ainda no mês de Maio.

“Eu não cantava e fazia músicas com letras há quase dez anos e nesse meio tempo veio me dando vontade de experimentar um novo formato para voltar a fazer isso. Luiz foi o parceiro perfeito, curto muito o que ele escreve e temos feito muita coisa juntos nos últimos cinco anos. O Fetuttines é um presente que nós dois estamos nos dando para celebrar essa amizade e cumplicidade musical”, diz Foca. O som do duo trabalha em cima de canções, todas em português envoltas em climas reverberados e eletrônicos, destacando bastante as letras e o clima das canções.

“O processo de feitura do Fetuttines é muito animador e confessional, me identifico muito com tudo isso. Acho que é um trabalho de apreciação, para ser visto em locais pequenos, com atenção. É uma outra possibilidade, uma outra sonoridade da qual estou muito empolgado em defender ao vivo”, diz Luiz Gadelha. Todo o repertório do Fetuttines são de músicas da carreira dos dois integrantes (junto com parceiros ou gravadas por bandas que fizeram parte). Também foram compostas várias músicas inéditas assinadas pelo duo.

A banda inicia sua caminha com shows em Natal essa semana no Ateliê e CCDosol (dias 07 e 08 de maio) e parte para uma tour no nordeste no mês de Julho para começar a divulgar o disco.

Escute agora “Um Pouco Mais de Nós”, single do trabalho.

DOSOL E BANANADA FAZEM AÇÕES NA EUROPA

water rats 01

FESTIVAIS BANANADA E DOSOL PROMOVEM AÇÕES NA EUROPA

Palestras, shows e ações em parceira com o Primavera Sound estão entre as atividades

Goiânia e Natal têm muitas características em comum quando se fala de música. Cenas similares, artistas bem posicionados no cenário independente, ações de fomento dentro das cidades com festivais, casas e agentes envolvidos. A interação continua na área da produção cultural. Os Festivais DoSol e Bananada sempre foram irmãos de proposta e intenção. Com o passar dos anos essa aproximação tornou-se trabalhos em comum e é com muito orgulho que os dois festivais anunciam uma extensa agenda de atividades na Europa envolvendo artistas brasileiros e europeus.

“Temos ótimas relações institucionais dos dois festivais com a cena europeia. Juntos, Dosol e Bananada já circularam dezenas de artistas internacionais e isso só aumentou nos últimos anos com a nossa aproximação com o Primavera Sound, um dos maiores festivais da Europa, e com vários parceiros na Alemanha, Inglaterra e Portugal. Foi natural rumarmos as nossas atividades para Europa para aumentar essa ponte e envolvimento”, é o que afirma o coordenador do Festival Bananada, Fabrício Nobre.

A lista de atividades é extensa. Os festivais estão promovendo juntos três noites de shows em Lisboa e Porto envolvendo artistas do Brasil e Portugal. Estão no lineup Water Rats (BR), Inky (BR), O Terno (BR), Aldo The Band (BR), Solar Corona (POR), Bed Legs (POR), além de participações do  Legendary Tigerman (POR) e Hélio Morais dos PAUS (POR). Os artistas brasileiros também seguem para shows no Primavera Sound em Barcelona em ação promovida pelos próprios festivais.

“Para o DoSol, as ações na Europa são muito estratégicas do ponto de vista da circulação. Voar de Natal para Lisboa é quase a mesma distância de chegarmos em Porto Alegre por exemplo, e naturalmente também temos uma grande circulação de europeus na cidade. Tudo isso nos aproxima muito daquele cenário. Estamos muito orgulhosos de fazer ações com os parceiros portugueses e espanhóis e tomara que isso seja só o começo de uma relação duradoura”, afirma Foca, do Festival DoSol.

O Bananada acontece em Goiânia sempre no mês de maio e está divulgando desde o começo do ano uma extensa lista de atividades que vai durar uma semana entre 09 e 15 do próximo mês. Já o Festival DoSol acontece em Natal e em dezenas de cidades do nordeste brasileiro durante todo o mês de novembro. No ano passado, os dois festivais reuniram juntos mais de 40 mil pessoas nas suas atividades e são duas das principais plataformas de circulação da nova música brasileira.

ANOTE
BANANADA + DOSOL tour PORTUGAL + ESPANHA
====
BANANADA + DOSOL (at Musicbox) – Lisboa
O TERNO, ALDO THE BAND and special guest HELIO MORAIS (PAUS):

Thursday 26th May 
INKY , WATER RATS and special guest THE LEGENDARY TIGERMAN:
Friday 27th May

BANANADA + DOSOL (at Cave 45) – Porto
SOLAR CORONA, O TERNO , INKY, BED LEGS:
Saturday 28th May,

PRIMAVERA SOUND NightPro (at Parc del Forum) – Barcelona
O TERNO : Thursday 2nd June
INKY: Thursday 2nd June
ALDO THE BAND : Saturday 4th June
WATER RATS : Saturday 4th June

PRIMAVERA PRO DayPro (at CCCB) – Barcelona
BANANADA + DO SOL Showcase
ALDO THE BAND : Sunday 5th June
O TERNO : Sunday 5th June
INKY : Sunday 5th June
WATER RATS : Sunday 5th June

===
DayPro Conference – Panels

“El negocio musical en Latinoamérica en 2016″  : 1st jun 2016 /@ CCCB (Auditorio)
Fabricio Nobre (A Construtora Musica e Cultura), Roberto Montero (Epicentro), Noemí Planas (UFI / Impala), José Velásquez (Veltrac Music / IMIP), Gabriel Turielle (MMF LATAM) Abraham López (Managers Anónimos). Moderador: Oliver Knust (IMI Chile) 

“Experiencias Brasileñas con Incubadoras Musicales” : 1st jun 2016 / @ CCCB (Sala Raval)
Anderson Foca (Incubadora DoSol), Fabio Pedroza (Agencia Circula), Daniel Domingues (Nós de Rede). Moderador: Fabricio Nobre (A Construtora Musica e Cultura)

“Pueden los Festivales ser espacios sociales y políticos?”  : 2nd jun 2016 @ CCCB (Auditorio)
Fabricio Nobre (A Construtora Musica e Cultura) ,Sid Sharma (Shambala), Jerome Trehorel (Vieilles Charrues Festival) Huw Stephens (Radio One / Swn festival). Moderadora: Ruth Daniel (UnConvention)

EDITORIAL: BLOGS, SELOS E ARTISTAS CONTRA O GOLPE

Todos os blogs de cultura, selos musicais e artistas que assinam esse manifesto publicaram o texto abaixo em seus perfis de Facebook e dentro de seus espaços virtuais. Quer assinar? Deixe o seu link do nos comentários!

Em 1992, quando fomos às ruas pra apear Collor do poder, fomos, como hoje, movimentados pela mesma revista Veja e pela mesma Rede Globo. A favor da nossa consciência, Collor cometeu o equívoco de ele mesmo se beneficiar do esquema de corrupção desenhado pelo seu tesoureiro Paulo César Farias. PC pagava contas pessoais do presidente e da primeira-dama com grana de propina. Uma CPI foi instaurada na Câmara e os deputados saíram com provas de que Collor, já na presidência, utilizava-se desse dinheiro para benefício próprio. Era o tal crime de responsabilidade que justificou seu impeachment: o presidente dolosamente e diretamente utilizava do seu cargo pra conseguir benefícios indevidos.

Piorou quando PC Farias e Collor forjaram documentos pra tentar provar que a grana usada pras despesas do casal mandatário vinha de um empréstimo do Uruguai. Virou falsificador.

Tirar Collor do poder foi pouco traumático pra democracia brasileira, ainda cheirando a talco de neném, na sua primeira eleição direta à presidência depois da acintosa ditadura militar que durou mais de vinte anos. Itamar Franco assumiu, arrumou um plano econômico que ajustou a moeda nacional e fez seu sucessor. Que se reelegeu. E que fez seu sucessor. Que se reelegeu. E que fez sua sucessora. Que dois anos atrás também se reelegeu.

Para então estarmos diante novamente de um processo de impeachment. Diferentemente de Collor, Dilma não tem nada contra. Nesse meio tempo, entre sucessores e reeleições, muitos escândalos de corrupção apareceram. Teve o da reeleição, Banestado/Lava Jato, privataria tucana, mensalão petista e mensalão tucano, petrolão/Lava Jato, HSBC, CAF, Panama Papers e nada, em nenhum deles, o nome de Dilma aparece.

A sua chapa está enrolada em tramoias envolvendo obras públicas e a Petrobras. Seu nome não aparece como beneficiária direta de um centavo sequer. Ao contrário, seus delatores, seus acusadores e seus opositores, grande parte deles, em especial os protagonistas (Eduardo Cunha, presidente da Câmara; Renan Calheiros, do Senado; Michel Temer, vice-presidente da República; Aécio Neves, líder da oposição etc.), estão todos enrolados, indiciados ou acusados. Pois é, “a gente somos corruptos”.

Na falta de um crime tão compreensível pra população como o de Collor, arrumaram um “crime fiscal” pra justificar o injustificável, o golpe, a destituição de uma presidente eleita pelo povo, democraticamente, legitimamente: as “pedaladas fiscais”, que a grande maioria talvez nem entenda ou queira entender.

Dificultando a compreensão do “crime”, entra a mídia pra inflar a ira da turba, pregando no partido da presidente a pecha de bandido, o que para a grande massa acaba sendo a mesma coisa. Ela não fez nada, mas as informações e a narrativa são para misturar tudo num balaio só. Ela virou uma bandida sem crime. Já está condenada antes mesmo de qualquer julgamento.

A chamam de ladra, de louca, de anta, de nomes impronunciáveis. Uma covardia. Enquanto não se provar nada contra ela, enquanto não tiver uma mísera prova de que ela é corrupta, o máximo que se pode dizer dela é que Dilma é incompetente, mas isso vai da visão de cada um. Um governo incompetente ou impopular se tira no voto, não por impeachment. Acontece que os derrotados de 2014 não souberam esperar e inventaram uma série de artimanhas para tirá-la do poder.

Primeiro, recontagem de votos. Deu em nada. Depois, os crimes vinculados à Lava-Jato. Até agora, nada do nome dela aparecer. Ainda existe a saída pelo Tribunal Superior Eleitoral, já que delação premiada de um empreiteiro acusa sua chapa de usar dinheiro de propina na eleição. Uma delação, nenhuma prova, por enquanto. É esperar.

Enquanto isso, arrumaram esse “crime fiscal” que ninguém entende e forçam a barra para que achem que é roubo. Não é. Nem crime é.

Não podemos ser a favor disso. O que vale em resumo desse texto é: impeachment com crime não é golpe; sem crime, é. O dela é golpe. Não há crime.

E há promessa de coisa pior: dessa turma de golpistas, grande parte investigada e suspeitada pela Lava-Jato, espera-se que as investigações sejam estancadas. Tirado o PT do poder, encerra-se tudo, não investiga-se mais ninguém, já era, todo mundo se salva, e ainda expulsa-se quem a mídia queria expulsar. Não é um processo contra corrupção, portanto. Se fosse, Dilma não estaria nessa situação, já que ela não é nem mesmo citada num escândalo em investigação.

Por incrível que pareça, doze anos depois, por falta de provas, Collor foi absolvido pelo Supremo Tribunal Federal dos crimes de peculato, falsidade ideológica e corrupção passiva. Um inocente diante da Justiça. Ou um sortudo diante de uma polícia incompetente.

Não se pode dizer o mesmo agora. A Polícia Federal tem autonomia, investiga, prende gente graúda (senadores, empreiteiros), gente de grana. Mesmo assim, não chegou em nada que comprometesse Dilma.

A sanha de poder dos golpistas não pode encontrar eco em quem tem um pingo de razoabilidade. Músicos, jornalistas, políticos, empresários, centrais sindicais, estudantes, juristas, cineastas, atores, atrizes, escritores, rappers, tem muita gente contra esse processo. Nós aqui, entre blogues, sites e selos musicais e arrobas do Twitter também nos manifestamos contra o golpe.

Texto de Fernando Augusto Lopes

https://blogseseloscontraogolpe.wordpress.com/2016/04/13/blogs-e-selos-contra-o-golpe/

CIRCUITO DOSOL DE MÚSICA MOVIMENTA CENA POTIGUAR

circuito_dosol_demusica

No ano em que comemora 15 anos de atividade, o Dosol começa um novo projeto que vai espalhar música e cultura por vários cantos da cidade: o Circuito Dosol de Música. A primeira etapa da atividade acontece entre os dias 29 de abril e 08 de maio reunindo 25 shows de artistas potiguares, paranaenses e brasilienses.

“A ideia desse circuito é movimentar a música da cidade no primeiro semestre, que é sempre mais carente de atividades culturais, também é parte das comemorações dos nossos 15 anos de atividade. Estamos bem contentes de ocupar tantos espaços legais e a ideia é isso se expandir ainda mais”, diz Ana Morena, produtora da atividade.

O Circuito Dosol de Música vai acontecer em duas etapas com a segunda parte prevista para o fim de julho/começo de julho. A Associação Cultural Dosol também é responsável por diversas atividades ligadas a cultura e a música no nordeste como o Festival Dosol, Natal Instrumental, Circuito Cultural Ribeira e Virada Cultural de Natal.

Confira a programação completa do Circuito Dosol de Música:

Sexta, 29 de abril
Centro Cultural Dosol, Ribeira, 22h
Rapadura (DF)
Dusouto
Chico Bomba e Zé Baga
https://www.facebook.com/events/575279499320099/

Sábado, 30 de abril
Ateliê, Ribeira, 22h, R$10,00
Luisa e os Alquimistas
Luiz Gadelha e os Suculentos
https://www.facebook.com/events/1009237745778164/

Domingo, 01 de maio
Labiata, Ponta Negra, 20h, R$7,00
Fetuttines (show de estreia)
https://www.facebook.com/events/210869972624378/

Domingo, 01 de maio, 18h
Centro Cultural Dosol, Ribeira, R$20,00
Sick Sick Sinners (PR)
The Bop Hounds
Jubarte Ataca
https://www.facebook.com/events/990403044368673/

Sexta, 06 de maio,
El Rock, Candelária, 22h, R$10,00
Simona Talma DJ Set
As Cantoras de Zé
(Ângela Castro, Simona Talma, Luisa Guedes e Clara Pinheiro)
https://www.facebook.com/events/1738170963085610/

Sábado, 07 de maio
El Rock, Candelária, 22h, R$10,00
Mahmed (DJSET)
Mahmed (show completo)
https://www.facebook.com/events/349848291806006/

Sábado, 07 de maio
Centro Cultural Dosol, Ribeira, 17h, R$10,00
New Generation Bands
https://www.facebook.com/events/996543683756996/

Domingo, 08 de maio
Centro Cultural Dosol, Ribeira, 17h, Gratuito
Fetuttines
Talude
Koogu
Folcore
https://www.facebook.com/events/1691274881127583/

TODOS OS INGRESSOS SÓ SERÃO VENDIDOS NA HORA DOS SHOWS.

SELVAGEM FESTIVAL REUNE O MELHOR DO SURF MUSIC EM NATAL

selvagem

A nata do Surf Music em Natal. É com essa proposta que o Selvagem Festival chega na sua segunda edição. Muitos shows incríveis por vir, rolê imperdível. Tem tudo ai no evento, aproveita e garante logo sua presença!

https://www.facebook.com/events/967215583361014/

Dia 12 de março no Centro Cultural Dosol já temos encontro marcado!

DOSOL PROMOVE SHOWS EM SÃO PAULO EM MARÇO

water ratos

O Dosol promove junto com parceiros paulistas shows em São Paulo no mês de março. O primeiro dia de shows é quinta, dia 10 de março num “welcome” para potiguares e gente do Brasil inteiro que vem ao Lollapalooza Brasil junto com o Inferno Club. Quem toca na data é o Camarones Orquestra Guitarrística na data final da sua tour que vem girando a sulamerica e termina em São Paulo e também os paulistas do Deb & The Mentals e Der Baum.

Confirma presença aqui: https://www.facebook.com/events/164089280641962/

No dia 19 de março a HBB e o Dosol promovem o encontro das bandas paulistas que se juntaram e participaram da Tour Dosol 2015 no final do ano passado. Os shows também acontecem no Inferno Club e reunem Medulla, Water Rats, Maguerbes e Mundo Alto.

Confirme presença aqui: https://www.facebook.com/events/1076291209077366/

ASSISTA MINI-DOC SOBRE A ETAPA DE CARNAVAL DO CIRCUITO CULTURAL RIBEIRA 2016

cicuito

O carnaval da Ribeira foi lindo com a volta do Circuito Cultural Ribeira e suas atividades. Grande momento de reencontro com a cultura do bairro misturando gente e alegria em pleno carnaval. confira como foi essa volta no mini-doc abaixo!

LUIZ GADELHA E OS SUCULENTOS – SUFOCANTE (2016)

Capa_Sufocante_3000x3000

Luiz Gadelha é um dos maiores nomes da música potiguar e isso não é de hoje. A frente de vários álbuns gravados com o Talma&Gadelha e dezenas de músicas suas interpretadas por outros artistas da cidade, ele aparece mais uma vez dessa vez ao lado dos Suculentos no espetacular “Sufocante”.

O trabalho com nove músicas já sai com cara de que vai ser grande. São músicas maduras, embaladas em sonoridades pop com pingos de indie e eletrônica aqui e acolá, jogando a favor da narrativa sobre amor e comportamento muito bem construída na letras de Luiz Gadelha e seus parceiros.

É para cantar junto em todas as músicas, se jogar no beat do rock e ser feliz sem medida. A produção ficou a cargo de Anderson Foca e o disco é parte integrante da Incubadora Dosol 2016, projeto de desenvolvimento de carreiras artísticas capitaneado pelo selo. A capa é da ilustradora Luiza de Souza.

Baixe agora!

Luiz Gadelha e os Suculentos - Sufocante (Download gratuito) (1231)

Escute o disco via youtube!

ARTIGO: NATAL E CARNAVAL, A RIMA QUE DÁ CERTO!

Luisa e os Alquimistas no Circuito Cultural Ribeira

Luisa e os Alquimistas no Circuito Cultural Ribeira

Por Anderson Foca

Ontem se deu por encerrada a maratona de atividades do Carnaval de Natal e o resultado da festa para a cidade foi bastante positivo. Shows bons/excelentes, boa infra-estrutura e organização e o principal: participação em massa da população.

Todos os polos que visitei estavam lotados de pessoas querendo se jogar na alegria e no amor, que são a mola mestra de uma festa como essa. Não faltou disposição a quem resolveu ficar na cidade e curtir o carnaval local. Claro, esse fenômeno do “fiquei porque quis” não é exclusividade de Natal. Fato é que cada vez mais as pessoas estão percebendo que é bem melhor se esbaldar no carnaval e curtir sua ressaca em casa do que ficar engarrafado, apertado e desconfortável em outro lugar. O carnaval de rua de São Paulo, só para dar como exemplo, deve ser o maior do país em cinco anos se continuar na mesma toada.

Faltam ajustes para que o carnaval de Natal fique ainda melhor e considero simples e barato investir em iniciativas que partam do cidadão para o governo e não o contrário. Shows de artistas midiáticos são importantes nesse processo? Sim, são e devem continuar acontecendo. Mas é preciso ter mais curadoria, entender mais o movimento para não tornar a maratona de shows enfadonha.

Quase os mesmos artistas todos os anos não é um futuro muito promissor. Sem contar que quem acompanhou os shows de vários polos, que foi o meu caso, se deparou com 90% das bandas (mesmo as de outros estados), tocando exatamente o mesmo repertório. Alguém pode argumentar que “é carnaval” e as músicas pro público são as mesmas. Eu prefiro achar que o carnaval é uma festa que pode ser embalada por todas as músicas, para todas as tribos e quanto mais diversidade formos capazes de oferecer, mais gente vai sair para rua para consumir.

O baile do Circuito Cultural Ribeira e A Ponta, duas iniciativas (privadas) que apostaram em artistas locais e repertórios fora da “música” tradicional de carnaval, tiveram participação pesada de público, superlotando as duas atividades. Sinal de que podemos seguir oferecendo cultura dentro da escala festiva momesca que dá certo e é muito salutar.

O maior destaque nacional do nosso carnaval terminou sendo negativo, com o desconforto das palavras (lamentáveis) da Baby do Brasil durante o Baile das Kengas. Insensibilidade de quem escalou a cantora evangélica num evento LGBT. Também teve repercussão bem negativa o boicote de parte da cena musical potiguar ao chamamento público da prefeitura para os shows locais do carnaval. Um movimento bonito e interessante dos artistas para que os processos dentro do poder público sejam mais claros, eficientes e justos. Também lamentável foi a reação da prefeitura ao comentar sobre o boicote em vez de entender os sinais e tentar melhorar o processo.

É preciso ver o movimento com olhos de lince para não cair na armadilha de que o jogo já está ganho pro carnaval da cidade. As fotos da multidão tiradas de um drone não podem servir de parâmetro para medir o sucesso do nosso carnaval. Com um lineup com Alceu Valença, Monobloco, Elba Ramalho, Margareth Menezes e afins é bem fácil reunir pessoas. É preciso investir mais no sentimento de pertencimento do cidadão comum brincante do carnaval, incentivar que blocos de todos os tamanhos saiam a todo momento e dar condições para que eles continuem existindo e virem tradição.

O carnaval de Natal é promissor, já rima por si só, já é música e poesia. Com amor e atenção pode ser ainda melhor. A festa foi bonita e ano que vem nem cogito passar meus dias momescos longe daqui. Bora!

LUISA E OS ALQUIMISTAS FAZ TOUR NO CARNAVAL DO NORDESTE

luisa

O ano começou com tudo para Luisa e os Alquimistas, uma das principais revelações da música potiguar desde o ano passado. Na primeira semana de janeiro a banda lançou seu primeiro full album intitulado “Cobra Coral” que vem sendo sucesso de crítica e público na capital potiguar.

Agora a banda começa uma tour para divulgar o disco fora das fronteiras do estado e vai aproveitar o carnaval para o começo das atividades. O grupo toca no RecBeat em João Pessoa e Recife, Encontro da Nova Consciência em João Pessoa e no Baile do Circuito Cultural Ribeira em Natal.

Logo depois das datas momescas a banda pretende fazer o show oficial de lançamento do album em Natal e agendar mais shows Brasil afora. Cobra Coral é o primeiro lançamento do Dosol este ano e ainda no primeiro semestre tem mais três álbuns previstos: Plutão Já Foi Planeta, Luiz Gadelha e os Suculentos e Five Minutes To Go.

Confira as datas de carnaval de Luisa e os Alquimistas

Sexta, 05 de fevereiro – RecBeat Apresenta, João Pessoa/PB
Sábado, 06 de fevereiro – RecBeat, Recife/PE
Domingo, 07 de fevereiro – Encontro da Nova Consciência, Campina Grande/PB
Terça, 09 de fevereiro – Baile do Circuito Cultural Ribeira, Natal/RN